Como o pornô pode influenciar a sexualidade

Por que a pornografia pode fazer muito mal?
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

17 de janeiro 2022

Utilizar a internet para a sexualidade é muito comum: pornografia, vídeos pela webcam, encontros virtuais, etc.. Embora a utilização moderada não pareça ter efeitos negativos na sexualidade (pelo contrário), o consumo excessivo de pornografia pode ter muitas repercussões. Dentre eles existem fatores psicológicos (evitar relações muito íntimas) e sintomas depressivos, além da sua influência sobre a realidade sexual das pessoas.

A pergunta que devemos fazer: qual é o lugar da pornografia na nossa sociedade?

Como relatado num estudo de 2017, a sexualidade (e particularmente a pornografia) ocupam um lugar importante nos mecanismos de busca (lê-se Google): as procuras relacionadas ao sexo estão entre as mais frequentes na rede.

E, por uma boa razão: a oferta é diversa, na maioria das vezes gratuita, por conteúdos acessíveis e rápidos 24 horas por dia.

Além disso, quem consome esse conteúdo pode ter a impressão de estar sozinho em frente à tela. Assim, encoraja-se ainda mais o consumo de pornografia.

A internet aumentou, então, o acesso à pornografia e a ilusão do anonimato.

A sexualidade na internet

Existem muitas práticas orientadas para o sexo na internet.

Podemos, portanto, identificar comportamentos muito diferentes, dependendo da experiência ou interação. Por exemplo: ver pornografia sozinho ou em grupo, em chats, webcams, sites de encontros e apps, realidade sexual virtual, jogos de videogame…

A principal motivação para essas práticas é provavelmente a busca pela excitação sexual ou por informação sobre a própria sexualidade.

Isso tudo é perigoso?

Essa disponibilidade que existe na internet não é, por si só, realmente ruim. Ela pode até mesmo ajudar na comunicação e na interação sexual entre as pessoas, promovendo assim o conhecimento sexual. 

Mas, segundo outros estudos recentes, parece que uma parte da população é viciada nessas práticas virtuais. No entanto, ainda é difícil definir uma norma ou medida precisa para esses vícios.

Certamente a sexualidade e a constatação da dependência sexual estão sujeitas aos valores morais, atrasando estudos e o aparecimento de medidas ou definições claras. A definição de uma norma de acordo com as práticas ou frequência permanece, aliás, bastante subjetiva.

Entretanto, podemos confiar em numerosos estudos que demonstraram a influência negativa das dependências em geral (jogos de videogame, apostas esportivas – para não mencionar as dependências químicas, claro…), todas elas nocivas à saúde.

Podemos, então, prever com bastante certeza que uma dependência pela pornografia tem uma série de consequências negativas para o indivíduo.

Masturbação: quando o prazer vira compulsão? [Omenscast #33]

No nosso 33º episódio do Omenscast, o médico urologista João Brunhara vai falar sobre o consumo de pornô e a prática da masturbação. Qual o limite entre o saudável e a compulsão? A transcrição do áudio você poderá encontrar aqui.

Como o pornô pode influenciar a sexualidade?

Vamos salientar principalmente a influência negativa do consumo de pornografia quando ela é excessiva: todos os vícios têm um impacto na saúde.

O pornô pode ser problemático se se tornar algo compulsivo e viciante.

Em geral, a pornografia transmite uma certa objetificação do corpo, que é despersonalizado e muito frequentemente desnaturalizado. Vemos principalmente a objetificação da figura feminina, sujeita a comportamentos agressivos e quase sempre em uma posição submissa. 

O excesso de consumo pornográfico pode ser associado a um distanciamento da realidade, de si mesmo – uma forma de escapar do mundo real.

Dessa forma, as nossas práticas acabam se adaptando e mudando: elas passam a tentar refletir o aspecto comercial vendido pela pornografia.

Esse meio visual pornográfico reforça mesmo os impulsos voyeurísticos ou exibicionistas dos espectadores.

Mas ele reflete também um certo número de fantasias inconscientes que a pessoa não reconhece ou não assume. Na internet, o indivíduo, com o poder do anonimato virtual, dá livre curso aos seus impulsos. A fronteira entre esse virtual e o real fica, então, muito tênue e a influência da pornografia atinge as práticas dos consumidores desse tipo de conteúdo.

Entre as imagens inevitavelmente produzidas pela pornografia, encontramos a venereção ao falo, representando o poder, a dominação exercida pelos homens sobre as mulheres – além disso, encontramos bastante violência.

Outras consequências do pornografia em excesso

As consequências ocorrem após uma utilização repetida e excessiva.

Por exemplo, a pornografia pode levar a problemas emocionais (depressão, culpa, vergonha, etc.), problemas de relação (isolamento social), problemas profissionais ou acadêmicos (menor produtividade ou diminuição geral do desempenho, etc.).

Mas também afeta a sexualidade: disfunção erétil, problemas de desejo… A pornografia pode até mesmo levar à infidelidade ou à perda de interesse nas relações sexuais reais.

Além disso, essa utilização problemática responde frequentemente à necessidade de “aquietar” obsessões ou fantasias, emoções (raiva, medo, tédio, etc.) ou necessidades físicas (excitação sexual).

Fora isso, parece que, entre os jovens, a pornografia encoraja expectativas irrealistas a cerca da sexualidade ou das práticas sexuais.

NOVO

Acha que o seu parceiro possa ter problemas com pornografia?

Encontre uma solução online conversando com um psicólogo especializado em sexualidade.

Teleconsulte por vídeo ou celular o terapeuta sexual da sua escolha e consiga a ajuda necessária para a sua relação!

Agendar Teleconsulta

e receber ajuda agora!

Como saber se sou viciado em pornografia?

A comunidade científica ainda debate muito sobre essa questão.

Isso porque o comportamento sexual considerado problemático pode ser definido de várias formas: vício, dependência, compulsão, impulsividade, desejo sexual hiperativo…

Quando se trata da utilização problemática da pornografia, o debate é mais frequentemente entre a definição de vício e a de distúrbio sexual.

Os sintomas ligados ao uso excessivo da pornografia são muitas vezes idênticos aos dos vícios comportamentais: dificuldade em se controlar, consequências negativas no bom funcionamento da própria vida privada e pública. Muitas vezes, a pessoa recorre à pornografia da mesma forma como recorre a um outro vício qualquer: cigarro, jogos de azar, álcool, enfim… Trata-se de um comportamento compulsivo, que ocorre de forma automática e quase que inconsciente, e que muitas vezes cumpre o papel de atenuar ansiedade ou outras angústias

Uma hipersexualidade pode também estar ligada ao consumo excessivo da pornografia, mas também à masturbação, a conversas sexuais na internet, à busca incessante por encontros sexuais em diversos contextos, etc..

A partir do momento em que essas práticas ficam repetidas, excessivas ou atrapalham a vida do indivíduo, que não pode deixar de praticá-las, falamos mais frequentemente de um desejo sexual hiperativo (ou apenas hipersexualidade).

O indivíduo então se excita apenas por tais comportamentos sexuais. Isso geralmente provoca sofrimento nela e nas pessoas do seu círculo social, e um certo número de comportamentos podem até se tornar perigosos.

Como sair do vício em pornografia? [Vídeo]

Quase todo homem já assistiu um filme pornô. Mas e quando vira vício? Existem efeitos da pornografia na sua sexualidade, principalmente hoje, com acesso fácil a esses filmes, que facilita o vício em pornô. Sim, isso pode acontecer, pode trazer culpa e até mesmo problemas na cama, por tudo que é representado na indústria audiovisual pornográfica. Nesse vídeo, trouxemos algumas dicas de como identificar um possível vício nesses tipos de vídeos, como se livrar da pornografia e dos malefícios dela.

Como parar de consumir pornografia?

Existem vários “tratamentos” que assumem a forma de uma abordagem cognitiva e comportamental. Dentre as abordagens possíveis, temos, por exemplo:

  • colocar o próprio computador apenas em espaços comuns
  • instalar software de controle parental (inclusive em smartphones)
  • limitar a quantidade de tempo que se passa online
  • pedir ajuda a alguém de confiança

Em segundo lugar, é preciso encontrar formas saudáveis de viver com a internet, em vez da abstinência total. Um especialista em saúde sexual poderá ajudar você a identificar comportamentos sexuais problemáticos e os seus mecanismos (pensamentos, situações, estímulos, etc.).

De qualquer forma, é necessário se conscientizar para avançar na recuperação. Consulte um especialista em saúde sexual para obter ajuda.

Conclusão

A pornografia com um consumo moderado pode não ser um problema em si.

Mas se ela se tornar algo excessivo e repetido (e gradualmente se tornar um vício), trará consequências graves à vida da pessoa.

É possível ver pornografia ocasionalmente sem ser influenciado por ela, mas a linha é rapidamente ultrapassada quando ela altera o comportamento sexual e outras coisas.

Se sentir que está perdendo o controle e que está tendo um impacto negativo na sua vida causado pela pornografia, procure o atendimento de um profissional capacitado.

#NoFapSeptember vale a pena? [Vídeo]

Você conhece o movimento No Fap? É um movimento em relação à masturbação masculina, que consiste em ficar um mês sem se masturbar, geralmente no mês de setembro – por isso chamamos de No Fap September. Mas, afinal, fazer isso traz benefícios reais? O movimento se baseia em crenças de que a masturbação faz mal. Outros acreditam que é uma forma de ajudar aqueles que querem saber como parar de se masturbar, até para quem sofre com vício em masturbação. Mas será que é verdade? Nesse vídeo vamos falar tudo o que você precisa saber sobre o movimento No Fap Brasil.


Fontes

Consulte online um médico ou psicólogo especializado em sexualidade

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada à saúde sexual e mental, que reúne médicos urologistas, terapeutas sexuais e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

Por isso, a plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade, além de psicólogos sexólogos. As consultas online podem ser feitas por mensagens, pelo celular ou por videochamada, por exemplo, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico ou psicólogo especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta para o mesmo dia! (no Brasil, aliás, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e, então, eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Além disso, evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *