Gonorreia: sintomas, causas, tratamentos

células da bactéria gonorreia
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

9 de março 2022

A gonorreia (ou blenorragia) é uma infecção sexualmente transmissível (IST) bastante comum. Ela é provocada por uma bactéria chamada de gonococo ou Neisseria gonorrhoeae: o nome vem de seu descobridor, o cientista Albert Neisser.

A gonorreia afeta principalmente os órgãos genitais e o sistema urinário, fazendo com que, muitas vezes, a pessoa afetada sinta dores nesses órgãos, no reto, no ânus ou na garganta. Quando não tratada, ela acarreta complicações.

Nas últimas décadas, a gonorreia tem se tornado cada vez mais resistente aos antibióticos. É uma doença com cura, mas o aumento no número de casos no mundo todo é preocupante.

Quem são os mais afetados pela gonorreia?

Assim como acontece com a clamídia ou com a sífilis, os jovens são os mais atingidos: mulheres entre 16 e 24 anos e homens entre 29 e 34 anos.

Além disso, os mais afetados são os homens.

Gonorreia: modos de transmissão

Como acontece com todas as ISTs, a pessoa pode contrair a gonorreia durante uma relação sexual desprotegida (vaginal, anal ou sexo oral em homens e mulheres)… Mas é possível também transmitir a infecção através de roupas sujas ou em banheiros públicos.

Por fim, a gonorreia é transmissível entre mãe e filho durante o parto, podendo causar conjuntivites.

Sintomas da gonorreia

O período de incubação da infecção é de 1 a 14 dias (na maioria das vezes de 2 a 5 dias); desse modo, depois desse período, a doença se manifesta. Às vezes, porém, a pessoa pode ser assintomática em relação à gonorreia.

Geralmente, a infecção atinge os órgãos genitais, mas pode se espalhar para o reto, para a garganta, provocando irritação e vermelhidão.

Em homens

Os principais sintomas aparecem de 2 a 14 dias após a contaminação:

  • coceira no meato uretral
  • dor intensa ao urinar
  • corrimento uretral amarelado ou esverdeado (pus)
  • inchaço dos testículos, que pode provocar dor

As manifestações desses sintomas podem ser: uma uretrite (infecção da uretra) ou uma epididimite (inflamação do epidídimo, o canal que liga o testículo à próstata).

Em mulheres

Os sintomas aparecem entre 2 e 21 dias, e novamente: às vezes, a infecção não apresenta sintomas.

O risco de complicações é maior nas mulheres, como, por exemplo: estreitamento da uretra ou cistite crônica.

Os principais sintomas são:

  • corrimento vaginal
  • disúria (dificuldade ou dor para urinar)
  • sangramentos vaginais
  • dores abdominais
  • dor durante as relações sexuais

As principais complicações da gonorreia não tratada são: infertilidade e gravidez ectópica.

Diagnóstico

Para diagnosticar a gonorreia, é necessário realizar um exame de coleta com cotonete na uretra ou através da secreção uretral; além disso, geralmente é necessário um exame de urina.

Nas mulheres, os procedimentos são os mesmos: coleta de secreções vaginais e análise de urina.

Enfim, podem-se realizar outros testes, dependendo da progressão da infecção nas regiões anais ou na garganta.

Guia das Infecções Sexualmente Transmissíveis [Vídeo]

Chegou dezembro e, com ele, a campanha Dezembro Vermelho. Então, preparamos um pequeno guia sobre todas as Infecções Sexualmente Transmissíveis (as ISTs). Quais são elas? Alguns exemplos são o HIV (ou AIDS), gonorreia, sífilis, HPV e a hepatite B. E tiramos também algumas dúvidas, como os sintomas do HIV, se já há cura sobre a infecção, sífilis, o que é gonorreia, qual a diferença entre HIV e AIDS e por que não se usa mais o termo DST, mas sim IST. Confira tudo isso e mais um pouco!

Tratamentos médicos

Em primeiro lugar, é importante lembrar que a melhor proteção contra ISTs é o preservativo.

Se algum dos sintomas acima estiver presente, é imprescindível consultar um médico.

Do mesmo modo, recomenda-se passar por exames anualmente caso a pessoa tenha diferentes parceiros sexuais.

Enfim, o tratamento se baseia na ingestão de antibióticos de dose única ou por injeção intramuscular. O tratamento pode se estender na presença de outras ISTs, como a clamídia, por exemplo, que acompanha com frequência a gonorreia.

Além disso, durante o tratamento e nas semanas seguintes à recuperação, o paciente deve se abster de quaisquer relações sexuais.

Conclusão

A gonorreia afeta muitas pessoas no mundo todo. No Brasil, ela é uma das mais comuns, junto da sífilis, das hepatites e do HPV.

A prevenção é uma questão de saúde pública. Portanto, é importante conscientizar os jovens dos riscos (conhecimento sexual e médico) e dos comportamentos preventivos (uso de preservativos, de gel lubrificante em vez de saliva, etc.).

A pessoa diagnosticada com gonorreia deve informar seus parceiros e respeitar o protocolo de tratamento.


Referências

Consulte online um médico ou psicólogo especializado em sexualidade

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada à saúde sexual e mental, que reúne médicos urologistas, terapeutas sexuais e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

Por isso, a plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade, além de psicólogos sexólogos. As consultas online podem ser feitas por mensagens, pelo celular ou por videochamada, por exemplo, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico ou psicólogo especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta para o mesmo dia! (no Brasil, aliás, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e, então, eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Além disso, evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

5 comentário(s) sobre “Gonorreia: sintomas, causas, tratamentos

  1. Bruno says:

    A gonorreía pode ficar no organismo da mulher, por pelo menos 2 meses, sem ela ter sintomas?
    O vírus pode ficar silencioso no organismo feminino por meses ou anos, até aparecer sintomas mais graves?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *