Ressecamento vaginal: causas fisiológicas e psicológicas

O ressecamento vaginal tem diversas causas possíveis
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

25 de novembro 2021

O ressecamento vaginal está muitas vezes relacionado a uma desordem ligada à excitação ou a uma redução das sensações pela menopausa (deficiência de estrogênio) – ou ainda devido a fatores psicológicos.

Causas neurovasculares e biológicas do ressecamento vaginal

A circulação sanguínea na região da pelve e do períneo é, sobretudo, a responsável pela lubrificação vaginal, o que requer terminações nervosas e vasculares normais para ocorrer de forma correta.

Para uma boa lubrificação, a situação hormonal também deve ser boa. Os principais neurotransmissores envolvidos na excitação física e cerebral (e no desejo sexual) são a dopamina, a oxitocina e a serotonina.

Causas cardiovasculares

A insuficiência venosa vaginal pode ser a causa do ressecamento íntimo (vaginal e clitorial), embora haja normalmente muitas outras causas associadas.

Além disso, a longo prazo, essa insuficiência venosa pode causar fibrose (um aumento anormal da quantidade de tecido) no interior da vagina e uma redução da lubrificação.

Causas neurológicas

Uma disfunção do sistema nervoso pode levar a uma falta de resposta sexual e, portanto, de lubrificação da vagina e do clitóris.

Às vezes, uma cirurgia na área da pelve pode ser a causa.

Causas endócrinas

Carência de estrogênio

A deficiência de estrogênio pode levar a uma redução do fluxo sanguíneo em direção à vagina e, portanto, levar também a problemas na lubrificação, se a carência persistir.

O estrogênio é responsável pelo desejo sexual ou excitação e pela lubrificação.

Por isso que a menopausa pode provocar uma redução do desejo, da excitação e da lubrificação.

Tal como no caso dos homens, a idade é frequentemente um fator importante na disfunção sexual. 

O papel dos músculos pélvicos

Os músculos do assoalho pélvico também desempenham um papel importante na resposta do órgão sexual feminino, já que eles entram em contato durante a relação sexual e ajudam na excitação.

A deterioração desses músculos é, com frequência, a causa de problemas sexuais femininos.

Causas infecciosas

Doenças infecciosas, tais como infecções urinárias ou vaginais, causam estresse, dor, possíveis infecções fúngicas e, às vezes, também desencadeiam alterações na excitação.

Doenças crônicas e tratamentos

Por fim, as doenças crônicas: o câncer, bem como o seu tratamento, tem um forte impacto sobre a sexualidade.

Dentre as doenças crônicas que afetam a sexualidade feminina, temos também, por exemplo: o reumatismo, a dor crônica, as consequências de uma cirurgia

No que diz respeito aos tratamentos, sabemos que a quimioterapia altera a boa lubrificação da vagina, assim como os medicamentos psicotrópicos (principalmente os antidepressivos), etc..

Pequeno guia dos lubrificantes íntimos [Omenscast #30]

No nosso 30º episódio do Omenscast, o médico urologista João Brunhara vai apresentar diversas informações úteis sobre os lubrificantes íntimos! Você sabe qual escolher? A transcrição do áudio você poderá encontrar aqui.

Causas psicológicas do ressecamento vaginal

Causas pessoais

O problema pode ter razões pessoais.

Certamente, para haver excitação e lubrificação, a mulher deve desejar o(a) parceiro(a).

As experiências sexuais anteriores de uma mulher também interferem na sua percepção atual das relações sexuais. Se a sua experiência passada for negativa, há uma boa chance de que ela desenvolva dificuldades de excitação.

Existem situações psicológicas que têm um forte impacto sobre a sexualidade, das quais podemos citar:

  • antecedentes de agressões sexuais;
  • abandono durante a infância;
  • experiências negativas durante a puberdade. 
  • estresse;
  • ansiedade generalizada: envolvendo a si mesma, o(a) parceiro(a), o risco de uma gravidez indesejada, a busca pelo orgasmo, etc.;
  • enfim, a depressão, que também pode levar a alterações de desejo e excitação;
  • personalidade: uma baixa autoestima, por exemplo, tem grande impacto na percepção da mulher da própria sexualidade; por outro lado, uma personalidade muito “perfeccionista” também pode trazer problemas nesse momento, já que poderá existir uma dificuldade em relaxar;
  • por fim, vale lembrar que a educação sexual também é importante, especialmente durante a adolescência, para prevenir esse tipo de reação.

Causas ligadas ao relacionamento

A relação com o(a) parceiro(a) é um fator essencial na sexualidade.

Um relacionamento ruim irá muitas vezes causar problemas na hora da excitação, mas não só isso: um(a) parceiro(a) com problemas também pode afetar a visão e o desejo sexual da pessoa.

A disfunção erétil nos homens ou a ejaculação precoce, por exemplo, podem interferir na excitação feminina.

Em geral, a estimulação sexual adequada depende da mulher, da sua idade, do ambiente e de outros fatores emocionais e psicológicos – tudo isso influencia a excitação sexual e o desejo feminino.

Como as doenças crônicas influenciam a libido? [Vídeo]

Você já deve saber o que é libido, mas existe alguma relação entre doenças crônicas – como câncer, obesidade, osteoporose e outras – e problemas de falta (ou perda) de libido? Então, logo após esses possíveis casos, tem como aumentar a libido de novo? Saiba mais!

Diagnóstico

O diagnóstico de ressecamento vaginal deve ser diferenciado de outros problemas de excitação, desejo ou orgasmo feminino.

É difícil descrever as motivações exatas para a alteração porque ela depende de muitos fatores.

Perguntas a serem feitas à paciente

É importante para uma mulher sempre procurar ajuda para diagnosticar problemas de excitação sexual. Para algumas causas psicológicas, o parceiro também pode estar presente durante a consulta com um terapeuta.

O psicólogo tentará identificar se o ressecamento vaginal é um episódio recente ou se aconteceu há muito tempo, em que contexto ocorreu, e analisará o aspecto geral da relação, se a mulher estiver em um relacionamento.

Exame ginecológico

Um exame ginecológico é essencial, em particular para avaliar os músculos do assoalho pélvico ou identificar se a paciente sofre de alguma infecção, vaginite ou cicatrizes pós-operatórias.

Também é possível realizar um exame de sangue para verificar possíveis alterações hormonais.

Conclusão

No caso de traumas ou experiências sexuais negativas, é importante não viver sozinha com essa ferida.

Há muitos especialistas competentes que podem fornecer apoio e as melhores orientações para esses casos.

Além disso, a idade não poupa ninguém, não trate um episódio de ressecamento vaginal como algo terrível. O corpo muda e isso é normal.

Existem soluções para o problema, e a melhor arma contra ele pode ser o diálogo.


Referências

Consulte online um médico ou psicólogo especializado em sexualidade

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada à saúde sexual e mental, que reúne médicos urologistas, terapeutas sexuais e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

Por isso, a plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade, além de psicólogos sexólogos. As consultas online podem ser feitas por mensagens, pelo celular ou por videochamada, por exemplo, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico ou psicólogo especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta para o mesmo dia! (no Brasil, aliás, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e, então, eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Além disso, evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *