Omenscast #30: Guia de lubrificantes íntimos

Omenscast, o minicast da sua saúde sexual: hoje falaremos sobre os lubrificantes íntimos existentes no mercado
BLOG OMENS / Outros produtos
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

25 de novembro 2021

No nosso 30º episódio do Omenscast, o médico urologista João Brunhara vai apresentar diversas informações úteis sobre os lubrificantes íntimos! Você sabe qual escolher?

Seja bem-vindo ao blog da Omens e fique à vontade para ouvir o nosso podcast! A transcrição do áudio também está logo abaixo.

Se você chegou aqui você quer saber mais sobre um item que faz parte, ou deveria fazer, da vida sexual de muita gente: os lubrificantes. Só que tem muita gente também que nunca usou os lubrificantes ou pelo menos não tem esse costume. Mas, então, por que usar lubrificante? E qual o lubrificante íntimo mais indicado? Vamos responder essas perguntas e muito mais.

Eu sou João Brunhara, médico urologista, e esse é o podcast da Omens sobre saúde sexual masculina.

Algumas pessoas pouco usam os lubrificantes íntimos, ou melhor, ou nunca usam, ou só lembram deles em situações específicas como sexo anal ou falta de lubrificação vaginal. Já outras pessoas estão sempre com um lubrificante pronto para usar, seja com algum efeito diferente de textura ou sensibilidade, ou só numa versão apenas lubrificante. Mas, afinal:

Para que serve lubrificante íntimo? Há motivo para usá-los sempre?

De fato, em algumas situações o lubrificante íntimo se torna praticamente obrigatório. É o caso de mulheres que têm dificuldade para lubrificação vaginal, e assim esses produtos servem como lubrificante vaginal. Também é fundamental usar lubrificante para o sexo anal, já que o ânus não tem uma lubrificação natural própria

Mas não são só essas situações que comportam o uso de lubrificantes. Eles podem ajudar desde a masturbação (feita pelo próprio homem ou pela parceira ou parceiro), trazendo menos incômodo para homens que têm a glande sensível e pouco lubrificada.

Também podem ser interessantes por agregar sensações diferentes, como texturas diferentes ou mesmo estimular os sentidos, como é o caso dos lubrificantes que dão sensação de calor ou até de vibração. Ou seja: os lubrificantes vão muito além das situações em que são apenas necessários!

E vamos esclarecer que existem pelo menos 3 tipos de lubrificantes: o gel lubrificante a base de água, os géis lubrificantes à base de silicone e os óleos lubrificantes, ou seja, lubrificantes à base de óleo.

Vamos falar um pouco mais de cada um para você saber qual deve ser mais interessante para você!

Lubrificantes à base de água

Os lubrificantes à base d’água vêm em formato de gel e são os mais comuns e disponíveis no mercado – normalmente nas farmácias você encontra eles na seção das camisinhas. Eles imitam a lubrificação da vagina, mas com uma sensação mais fria. Existem versões deles que podem trazer sensações diferentes como calor ou também sabores e aromas.

Esses lubrificantes à base de água têm grandes vantagens: são baratos, fáceis de achar, compatíveis com camisinha e não ficam grudentos depois de usar. A principal desvantagem deles é que eles são absorvidos mais rápido e precisam de reaplicações durante a relação. 

Lubrificantes à base de silicone

Os lubrificantes à base de silicone também vêm em forma de gel, mas têm a vantagem de que não são absorvidos tão rápido, então você não precisa repassar com tanta frequência quanto os de água. Além disso, eles têm uma textura mais aveludada. E, assim como os à base de água, são seguros para serem usados com preservativo, e no caso dos de silicone, têm mais uma vantagem de serem à prova d’água, para quem quiser experimentar no chuveiro ou em um ambiente diferente. 

Porém, são mais caros e mais difíceis de achar. Também podem causar alergia com mais frequência do que os à base de água, e por fim, não se adaptam bem com sex toys feitos de silicone, podendo danificá-los.

Lubrificantes à base de óleo

E, por fim, os lubrificantes à base de óleo: eles formam um grupo mais heterogêneo, já que muitos óleos diferentes podem ser comercializados para a finalidade de lubrificante íntimo, por exemplo o óleo de coco.

É importante começar pela desvantagem: esses lubrificantes à base de óleo não são seguros com o uso de preservativos, pois podem romper as camisinhas. No mais, são mais duradouros e só saem com água e sabão.

Por outro lado, para quem não vai usar preservativo, eles podem ser interessantes justamente por serem duradouros e à prova de água. Também podem ser úteis, por exemplo, para massagem ou masturbação.


Como você viu, existem vários tipos de lubrificantes, bem como várias aplicações possíveis para cada um deles – basta se informar e usar sua imaginação. Mas a mensagem é: não deixe de usar lubrificantes quando precisar e lembre-se que eles podem melhorar sua relação, mesmo quando não forem absolutamente necessários.

E, se você tem mais dúvidas ou comentários, continue essa conversa nas nossas páginas no Youtube, Facebook, Instagram, TikTok ou no blog. Te vejo lá!

NOVO

Seu parceiro tem alguma dificuldade? Você vê problemas no relacionamento?

Encontre uma solução online conversando com um psicólogo especializado em sexualidade.

Teleconsulte por vídeo ou celular o terapeuta sexual da sua escolha e consiga a ajuda necessária para a sua relação!

Agendar Teleconsulta

e receber ajuda agora!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *