Clamídia: sintomas, causas, tratamentos

bactérias Chlamydophila psittaci que podem provocar clamídia
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

6 de dezembro 2021

A infecção por Chlamydia trachomatis afeta o sistema reprodutor. A clamídia é muito comum e pode atingir pessoas de qualquer idade, mas é mais comum entre os mais jovens, tendo seu pico na faixa etária dos 15 aos 34 anos, tanto em homens como mulheres.

Já que a clamídia é muitas vezes assintomática, seu diagnóstico pode ser complicado. Assim, é possível uma pessoa transmitir essa infecção a um parceiro sem saber. No entanto, quando a doença se estabelece e se desenvolve, ela pode levar a complicações graves: esterilidade, prostatite, epididimite…

A Omens vai fazer uma breve apresentação dessa infecção – que, aliás, é a IST (Infecção Sexualmente Transmissível) bacteriana mais comum.

Clamídia: definição e público afetado

A clamídia é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada por uma bactéria. Ela atinge sobretudo homens e mulheres jovens, no início de suas vidas sexuais (de 15 a 34 anos).

Portanto, os fatores de risco são: a variedade de parceiros sexuais e a não utilização de preservativos durante o sexo.

Como a clamídia é transmitida?

A clamídia é transmitida durante uma relação sexual desprotegida, ou seja, pela penetração vaginal ou anal e pelo sexo oral.

Além disso, a infecção também pode ser passada durante o parto por transmissão vertical (de mãe para filho), podendo provocar conjuntivites e pneumopatias no recém-nascido.

As mulheres jovens (15-25 anos) são as mais afetadas.

Vale lembrar, aliás, que a infecção por Chlamydia trachomatis tem crescido nos últimos anos.

Os sintomas da clamídia

Na maioria dos casos, os sintomas são invisíveis. Por isso, é importante se proteger – e também fazer exames com certa regularidade caso você tenha diferentes parceiros(as) sexuais.

Nos homens, os principais sintomas são:

  • uretrite: uma secreção anormal pelo pênis;
  • ardência ao urinar;
  • epididimite: inflamação do canal espermático;
  • dores de garganta passageiras;
  • infecções no ânus ou reto, frequentemente assintomáticas ou com coceira, vontade frequente de ir ao banheiro e secreções.

Nas mulheres, os principais sintomas são:

  • secreções desagradáveis, pela vagina ou pelo ânus;
  • dores pélvicas (no abdômen inferior), que geralmente pioram durante as relações sexuais e podem ser ou agudas (temporárias), ou crônicas (persistentes);
  • colo do útero irritado;
  • dores ao urinar;
  • dores de garganta passageiras.

A maior complicação para uma mulher é a salpingite, uma inflamação das trompas de falópio, que pode levar à infertilidade ou à gravidez ectópica.

Além disso, a febre também pode ser um sintoma nos dois casos.

Guia das Infecções Sexualmente Transmissíveis [Vídeo]

Chegou dezembro e, com ele, a campanha Dezembro Vermelho. Então, preparamos um pequeno guia sobre todas as Infecções Sexualmente Transmissíveis (as ISTs). Quais são elas? Alguns exemplos são o HIV (ou AIDS), gonorreia, sífilis, HPV e a hepatite B. E tiramos também algumas dúvidas, como os sintomas do HIV, se já há cura sobre a infecção, sífilis, o que é gonorreia, qual a diferença entre HIV e AIDS e por que não se usa mais o termo DST, mas sim IST. Confira tudo isso e mais um pouco!

Diagnóstico

Há basicamente duas formas de se detectar a doença:

  • por exame de urina (com a primeira ida ao banheiro após 3 horas sem urinar) ou
  • recolhendo amostras com o cotonete através da garganta, da vagina ou da uretra

É importante passar por exames regularmente se você tem comportamentos de risco para contrair a doença, pois a clamídia é frequentemente assintomática.

Tratamento: qual o remédio para a clamídia?

Normalmente se trata a clamídia com antibióticos apropriados a cada caso (os mais comuns são a doxiciclina e a azitromicina por via oral).

A pessoa permanece contaminada por uma semana.

Recomenda-se que os parceiros dos dois últimos meses também procurem tratamento.

Conclusão

É indispensável se proteger! A melhor arma contra as ISTs é o preservativo.

Da mesma forma, é importante não correr muitos riscos no início da vida sexual. Enquanto a clamídia é a bactéria mais comum dentre as ISTs, existem muitas outras infecções mais graves (como o HIV).

Você deve sempre se proteger se tiver parceiros diferentes e, ao assumir riscos, procure fazer exames!


Fontes

Consulte online um médico ou psicólogo especializado em sexualidade

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada à saúde sexual e mental, que reúne médicos urologistas, terapeutas sexuais e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

Por isso, a plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade, além de psicólogos sexólogos. As consultas online podem ser feitas por mensagens, pelo celular ou por videochamada, por exemplo, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico ou psicólogo especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta para o mesmo dia! (no Brasil, aliás, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e, então, eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Além disso, evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *