Omenscast #38: Próstata inflamada (prostatite)

Omenscast, o minicast da sua saúde sexual: hoje o assunto é próstata inflamada (ou prostatite)
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

26 de março 2022

No nosso 38º episódio do Omenscast, o médico urologista João Brunhara vai apresentar todos os detalhes da prostatite, ou seja, da próstata inflamada: sintomas, causas e remédios.

Seja bem-vindo ao blog da Omens e fique à vontade para ouvir o nosso podcast! A transcrição do áudio também está logo abaixo.

Se você chegou aqui, você quer saber mais sobre uma doença que atinge principalmente os homens mais velhos: a prostatite (próstata inflamada).

Apesar de não muito falada, essa infecção pode ser potencialmente grave e causar sérios riscos a um homem que esteja afetado por ela. Mas então o que provoca a prostatite? Como saber se estou com prostatite? E o que fazer nesse caso?

Eu sou João Brunhara, médico urologista, e esse é o podcast da Omens sobre saúde masculina.

Definições

A próstata é uma glândula que fica logo abaixo da bexiga, produz parte do sêmen, e o canal da urina passa por dentro dela. E a prostatite é uma inflamação da próstata, ou seja, ela se refere a qualquer situação em que a próstata está inflamada.

A maior parte das vezes, quando falamos de prostatite, estamos falando de uma infecção da próstata, e normalmente por uma bactéria, a chamada prostatite aguda.

É principalmente dessas prostatites infecciosas que vamos falar hoje, mas também existem inflamações da próstata que acontecem sem infecção, as chamadas prostatites crônicas. Essas prostatites algumas vezes não dão sintomas e passam até despercebidas. Em outras vezes, acontece uma contração excessiva da próstata e dos músculos da região, dando uma dor pélvica crônica junto com essa prostatite. Nesses casos, a ansiedade e a contração muscular excessiva têm muito a ver com o quadro; e, por isso, existe uma certa relação entre prostatite e estresse, mas principalmente quando falamos dessa prostatite crônica não infecciosa.

E também existe uma outra condição que às vezes as pessoas confundem com prostatite, que é simplesmente o crescimento da próstata. A próstata tende a crescer em todos os homens a partir dos 50 anos de idade, e esse crescimento pode fechar o canal da urina, chamado de uretra, e é por isso que muitos homens mais velhos ficam com um jato de urina mais fraco. Algumas pessoas chamam esse fenômeno de prostatismo, mas cuidado para não confundir com a prostatite.

E, aliás, as prostatites de fato são mais comuns em homens mais velhos. Por sinal, em outro episódio vamos falar especificamente sobre o crescimento da próstata que acontece com a idade – e inclusive comentar sobre um remédio para diminuir a próstata.

Sintomas

Mas voltando à prostatite. Os principais sintomas da prostatite são de uma infecção urinária febril, ou seja, ardência para urinar, vontade de ir ao banheiro toda hora, jato fraco, e algumas vezes também sangue na urina. Mas como é uma infecção urinária mais grave, a prostatite também costuma dar febre, mal estar e cansaço. 

É mais comum a prostatite aparecer em homens mais velhos, justamente aqueles que não urinam tão bem porque já têm uma próstata grande. Uma outra situação frequente é a prostatite ocorrer depois de um procedimento, como uma biópsia. Mas ela também pode acontecer em homens jovens, principalmente aqueles que praticam sexo anal sem camisinha (seja com parceiras ou parceiros), e em geral pode ser causada também por algumas infecções sexualmente transmissíveis. Então, quando nos perguntam se a prostatite é transmissível, a resposta é: às vezes. Em alguns casos, ela é consequência de uma bactéria que foi adquirida no sexo. Em outros, é simplesmente o desdobramento de uma infecção urinária em homens com a próstata aumentada.

E respondendo uma outra pergunta:

Quem tem prostatite pode ter relação?

A resposta é: não deve. Primeiro, porque durante a infecção, a próstata está bastante inflamada, e com isso, a contração dela durante a ejaculação tende a ser bastante dolorosa. A prostatite aguda é uma infecção potencialmente grave, e a recuperação envolve repouso e deve ser levada a sério. Segundo, porque dependendo da bactéria que estiver presente, ela pode ser transmitida através do esperma

Como diagnosticar

Bom, e quais são os exames para detectar a prostatite? Primeiro, claro, temos que ter um quadro clínico compatível, como dificuldade para urinar e vontade constante de ir ao banheiro. Os exames de urina devem mostrar um aumento dos leucócitos, que são as células de defesa, demonstrando uma infecção urinária. Também coletamos uma cultura de urina que deve mostrar a presença de bactérias.

Além dos exames de urina, coletamos exames de sangue, que podem também mostrar um aumentos das células de defesa, e um aumento bem expressivo do PSA, que é um exame de sangue que se altera quando acontecem doenças da próstata. Por exemplo, se a urina vier alterada, mas o PSA vier normal, estamos falando de uma infecção urinária comum, e não uma prostatite. 

Tratamento

A prostatite aguda é uma infecção bacteriana e, portanto, o tratamento deve ser feito com antibióticos. Nos casos mais graves, pode ser necessária inclusive internação hospitalar, principalmente quando a prostatite vem acompanhada de uma piora do estado geral da pessoa. Quando o paciente também está com dificuldade para urinar, podemos associar um remédio para relaxar a próstata, como a tansulosinan ou doxazosina. E para dores em geral, podemos também prescrever um antiinflamatório para a prostatite.

No geral, o mais importante é o tratamento com antibióticos, e ele deve ser prolongado por pelo menos 2 semanas, mas às vezes por 4 semanas ou mais. E isso porque uma vez que as bactérias se alojam na próstata, é mais difícil eliminá-las; então o tratamento deve ser mais longo do que o de uma infecção urinária comum.

E, para os pacientes que nos perguntam se existe algum chá para prostatite, infelizmente não temos nada com comprovação. Mas uma coisa que pode ajudar são os banhos quentes. E, além disso, devemos evitar o que faz mal para prostatite. Por exemplo, alimentos apimentados, condimentados, café e refrigerantes devem ser evitados. Da mesma forma, tudo que aperte a região da próstata, como andar de moto ou bicicleta se deve evitar até a recuperação total.

Conclusão: e a prostatite crônica?

Essas orientações alimentares e comportamentais também valem para o tratamento da prostatite crônica. Mas, no caso da prostatite crônica não infecciosa, em vez do foco nos antibióticos, nossas atenções ficam voltadas para redução do estresse e medicações que auxiliem no controle da dor e no relaxamento muscular.

Ah, e antes que eu esqueça, se alguém está preocupado se a prostatite causa impotência, pode ficar tranquilo porque isso não acontece.

E, se você tiver dúvidas ou comentários, continue essa conversa nos nossos canais no Youtube, Instagram, Facebook, TikTok, ou no blog. Te vejo lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *