Omenscast #4: “Doutor, tenho 40 anos e estou com disfunção erétil”

Omenscast, o minicast da sua saúde sexual: o assunto de hoje é disfunção erétil aos 40 anos de idade
BLOG OMENS / Ereção
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

12 de outubro 2021

No quarto episódio do Omenscast, o médico e urologista João Brunhara, especialista em sexualidade masculina, analisará os problemas de ereção em homens mais jovens, na faixa etária dos 40 anos.

Seja bem-vindo ao blog da Omens e fique à vontade para ouvir o nosso podcast! A transcrição do áudio também está logo abaixo.

Tenho 40 anos e estou com disfunção erétil: por que será? Acredite: essa pergunta é muito comum no consultório de um urologista.

Quem tem 40 anos ou menos e começa a ter problemas de ereção pode achar que é o único no seu grupo de amigos que tem isso. Da mesma forma, se o seu parceiro é jovem e começa a ter disfunção erétil, você pode suspeitar que tem alguma coisa muito estranha acontecendo com ele ou com você. Mas a verdade é que esse problema é muito mais comum do que todo mundo imagina.

Olá, eu sou João Brunhara, médico urologista, e esse é o podcast da Omens sobre saúde sexual masculina.

Muitas pessoas estão acostumadas a pensar que disfunção erétil é “uma coisa que só acontece com os mais velhos”. As temidas brochadas, quando vem antes dos 40 anos, costumam assustar e causar muita insegurança, e às vezes até vergonha. Mas será que é tão incomum assim?

Pelo visto não…

Uma pesquisa feita pela Omens em parceria com o Datafolha mostrou que, dos homens com menos de 35 anos, 4 em cada 10 tinham algum grau de disfunção erétil, apesar de na maioria das vezes serem casos leves.

Essa taxa vem crescendo entre os jovens no mundo inteiro, e é cada vez mais comum encontrar caras que enfrentam alguma dificuldade desse tipo.

E a pergunta clássica deles é:

Por que estou com disfunção erétil? 

Primeiro, temos que entender que ter uma falha na ereção pode acontecer de vez em quando com absolutamente qualquer homem, independente da idade, da saúde sexual e da libido. Afinal de contas, o corpo humano não é uma máquina, e podemos ser influenciados por cansaço, excesso de álcool, estresse, preocupações, ansiedade, medo, baixa autoestima e centenas de fatores…

Aceitar que a ereção não precisa ser perfeita em 100% das vezes é o começo de entender e enfrentar o problema.

Mas então:

O que causa disfunção erétil em jovens?

A resposta, em mais de 90% dos casos é a mesma: causas psicológicas.

Mas alguém pode pensar: não, eu não tenho depressão, ansiedade, nem nada disso e mesmo assim estou tendo disfunção erétil.

Por um lado, é verdade que problemas de saúde mental mais graves, como transtornos de ansiedade, depressão maior, ou até um histórico de abuso sexual podem ser causas muito sérias de problemas de ereção. Por outro lado, perturbações emocionais muito mais corriqueiras também podem levar a disfunção erétil.

Exemplos

Um homem jovem e não tão experiente no sexo que começou a sair com uma pessoa nova, que gerou muita expectativa e ansiedade, que ele quer muito impressionar… É frequente acontecer uma brochada nesses casos, e chamamos isso de ansiedade de performance.

Uma outra situação comum é quando um término de relacionamento acontece de forma traumática, e abala até a autoestima do homem. Muitas vezes, quando ele volta a se relacionar com alguém, sem ter confiança em si mesmo, vem uma ansiedade grande e a disfunção erétil pode vir junto.

E pior, independente de qual seja a causa, depois que a brochada acontece algumas vezes, o cérebro fica achando que aquilo vai se repetir para sempre… Isso aumenta o medo, a ansiedade, e acaba gerando um ciclo vicioso que só amplifica o problema.

E não são só as questões afetivas que podem causar uma disfunção erétil psicológica. Às vezes um período de estress grande no trabalho, um drama familiar, problemas financeiros, inseguranças e preocupações em geral, que sejam significativas na vida da pessoa, podem levar a esses problemas de ereção. Afinal, pra conseguir ter uma vida sexual saudável, você tem antes de tudo que estar bem com você mesmo.

Conforme os anos vão passando, os problemas do próprio corpo, que nós chamamos de orgânicos, vão começando a predominar. Principalmente depois dos 50, é comum que doenças cardíacas, pressão alta ou diabetes causem disfunção erétil. Porém, mesmo mais próximo dos 40, pessoas com obesidade, diabetes descontrolada, sedentários ou fumantes (só para citar alguns exemplos) podem começar a sentir esses efeitos. Nessas situações, as causas orgânicas entram como um fator a mais, mas geralmente não o único.

Então, o que fazer se isso estiver acontecendo comigo?

A primeira coisa é não ter medo de pedir ajuda. Naquela pesquisa que eu comentei do Datafolha, mais de 60% dos homens com disfunção erétil não buscam nenhum tipo de auxílio médico, psicológico ou de outros especialistas. E ficar sofrendo sozinho sem ter ninguém para compartilhar só piora o problema. 

Naturalmente, para conseguir sair dessa situação, o homem tem que recuperar sua confiança, e encarar a causa de base que iniciou o problema. E quando eu falo pedir ajuda, não é só procurar um médico ou psicólogo. É saber dialogar, se permitir pedir ajuda nas coisas do dia a dia para familiares, amigos próximos, para sua companheira ou companheiro. Afinal de contas, a disfunção erétil não veio sozinha, mas sim como manifestação de alguma outra angústia ou problema. E claro que poder contar com acompanhamento psicológico nesses casos é muito importante. 

Mas além disso, tem a questão do ciclo vicioso que comentei antes. Sendo assim, é necessário quebrar esse ciclo e substituir essas ideias negativas por experiências positivas, que reforcem a confiança. E aí o ciclo se torna virtuoso, e não vicioso.

Para isso, dependendo do caso, o urologista pode prescrever uma medicação para ajudar na ereção, mas temporariamente e com uma estratégia bem definida, porque a intenção não é que ninguém fique dependente desses remédios, e muito menos tão jovem. 

Resumindo, a disfunção erétil antes dos 40 é mais comum do que as pessoas imaginam, e a boa notícia é que tem solução. Se você tem esse problema, não deixe de pedir ajuda e se consulte com um urologista especializado

Se você ainda tiver comentários ou dúvidas, continue essa conversa na nossa página no Youtube ou no nosso blog!

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *