Viagra para mulheres: isso existe?

BLOG OMENS / Tratamentos
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

30 de novembro 2020

Problemas sexuais afetam da mesma forma o público feminino e masculino. Mas, infelizmente, os tratamentos hoje em dia são mais focados nos homens. Ainda assim, muitos se perguntam: existe um Viagra para mulheres?

Os profissionais da saúde reconhecem e consideram eficaz esse suposto “viagra feminino”? E em quais países é possível comprar?

O Viagra surgiu por volta de 1998 e, nos anos seguintes, outros medicamentos surgiram no mercado para tratar disfunções sexuais masculinas, como o Cialis e o Levitra principalmente.

Foi só em 2015 que o primeiro princípio ativo comercializado e oficialmente aprovado pelos médicos apareceu como indicado para casos de diminuição do desejo sexual feminino (em mulheres que não estão na menopausa).

A substância se chama Flibanserina, mas somente os Estados Unidos aprovaram a droga.

Quais são os seus resultados? Funciona? Por que outros lugares fora dos EUA não comercializam o medicamento?

Flibanserina, o “viagra para mulheres” é eficaz?

Como muitos passaram a chamar a substância de “viagra feminino”, esperava-se que a Flibanserina tivesse os mesmos efeitos do Viagra original, ou seja, que desse maior acesso a tratamentos de problemas sexuais femininos e trouxesse excelentes resultados para a sexualidade das mulheres.

Mas, infelizmente, os resultados foram bastante decepcionantes.

É importante notar primeiramente que, apesar das comparações, o medicamento possui um funcionamento bem diferente do Viagra. O Viagra é um facilitador da ereção, ou seja, não atua sobre o desejo sexual. Já a Flibanserina é utilizada justamente para ativar o desejo sexual em pessoas que tiveram queda da libido.

“Viagra feminino”: posologia e efeitos colaterais

A Flibanserina pertence à classe de medicamentos mundialmente conhecida como antidepressivos.

Deve-se tomar o produto todos os dias. Ele traz diversos efeitos colaterais incômodos, por exemplo: náuseas, fadiga, sangramento fora do período menstrual…

O Viagra original é bem eficaz para 70% dos homens, enquanto a Flibanserina possui efeitos muito mais discretos e é, talvez, minimamente eficaz. Nos estudos realizados e nas comparações com placebo, o uso diário da Flibanserina aumentou, na média, apenas 1 relação sexual satisfatória por mês… e em alguns estudos esse número foi inferior a 1.

Os EUA comercializam a Flibanserina pelo nome de Addyi. No entanto, há poucas chances das farmácias brasileiras começarem a vender legalmente a substância. Isso porque seus resultados são contraditórios.

Viagra para mulheres: existe outra substância?

Recentemente, os Estados Unidos aprovaram outro princípio ativo para tratar a libido feminina: a bremelanotide.

A desvantagem dessa substância é que ela também tem efeitos colaterais e com relativa eficácia. Nos estudos, aproximadamente 40% das mulheres que utilizaram a droga apresentaram náuseas – um efeito colateral extremamente indesejado para quem pretende ter uma relação sexual. Além disso, aplica-se a injeção mais ou menos 45 minutos antes do efeito desejado.

Viagra feminino: conclusões

As duas substâncias que citamos só são comercializadas nos Estados Unidos, em função de seus resultados inconclusivos.

No momento, no Brasil, os tratamentos para a libido feminina baseiam-se em terapias psicológicas e comportamentais, enfatizando cuidados à saúde, bem-estar, autoestima e qualidade de vida. Além disso, utiliza-se também de fitoterápicos, feitos com plantas geralmente não prejudiciais à saúde, mas com efeitos também incertos sobre a libido.

Enquanto isso, só podemos esperar que as pesquisas avancem nos próximos anos e se voltem um pouco mais para a saúde sexual feminina. Assim, encontraremos tratamentos eficazes para as mulheres que precisam deles.

Consulte um médico especializado em sexologia na Omens

Omens.com.br é uma plataforma de saúde dedicada ao homem. Ela reúne urologistas, sexólogos e farmacêuticos para construir uma solução de qualidade, segura e acessível a todos.

A plataforma permite que você se consulte online com médicos especializados em sexologia. A consulta online pode ser feita por mensagem, telefone ou videochamada, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico especializado em sexualidade, que trata de distúrbios relacionados ao sexo diariamente.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta dentro de 24 horas (a espera média para uma consulta com um urologista especializado em sexologia no Brasil é de vários meses).
  • Peça pela internet os medicamentos necessários ao tratamento e eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia perto de você.
  • Evite o desconforto na sala de espera de um consultório ou na farmácia.

Fontes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *