Narcolepsia: definição, sintomas e causas

cachorro dormindo em uma situação inusitada ilustrando a narcolepsia
BLOG OMENS / Sono
logo da Omens
Escrito por

Ranieri Soares

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

11 de abril 2022

A narcolepsia é um distúrbio do sono muitas vezes mal compreendido. Ela é caracterizada por sonolência diurna severa e persistente que pode causar prejuízos na escola, trabalho e ambientes sociais, bem como aumentar o risco de acidentes e lesões graves.

Embora rara em comparação com muitos outros distúrbios do sono, estima-se que 3,3 milhões de pessoas no mundo, sendo 90 mil em nosso país, incluindo crianças e adultos, sofram desse distúrbio, segundo a Associação Brasileira do Sono. 

Mas quais são as causas e sintomas de narcolepsia? Ora, compreender os tipos de narcolepsia e suas causas, sintomas, diagnóstico e tratamento pode capacitar os pacientes, seus familiares e amigos a lidar com isso de forma mais eficaz!

Nós da Omens preparamos este artigo para responder às principais dúvidas que vocês leitores nos enviaram. Então, leia até o final e saiba tudo sobre o tema.

O que é narcolepsia: definição

Para responder o que é a narcolepsia, vamos primeiramente à sua definição: narcolepsia significa um distúrbio que interrompe os processos de sono vigília. Em segundo lugar, é importante lembrar que seu principal sintoma é a sonolência diurna excessiva (SDE), que ocorre devido ao cérebro ser incapaz de regular adequadamente a vigília e o sono.

Então, vamos lá: o sono normal se desenvolve através de uma série de estágios, com o sono de movimento rápido dos olhos (sono REM), sendo o último estágio do ciclo do sono, durando cerca de 20 minutos cada. É nele que os sonhos acontecem! Além disso, nessa fase do sono, a atividade cerebral é tão intensa, que podemos compará-la a quando estamos acordados.

Os adultos geralmente têm em torno de quatro ou cinco períodos de sono REM durante toda a noite de sono. No início do sono, esses períodos são mais curtos, mas, no final, podem ser mais longos. Somando os períodos, pode totalizar cerca de 90 a 120 minutos por noite de sono REM.

Assim, a narcolepsia significa que o sono REM é irregular e, em geral, inicia minutos após adormecer. Ou seja, é muito mais cedo do que o normal.

O REM ocorre rapidamente em pessoas com narcolepsia do sono devido a mudanças no cérebro que interrompem o funcionamento do sono. Essas interrupções também causam sonolência diurna e outros sintomas de narcolepsia:

Sintomas da narcolepsia do sono

Os sintomas da narcolepsia do sono podem ter efeitos notáveis ​​durante o dia e a noite. Além disso, vale lembrar que os sinais e sintomas da narcolepsia podem piorar nos primeiros anos e depois continuar por toda a vida. Eles incluem, por exemplo:

Sonolência diurna excessiva (SED)

A SED é o sintoma cardinal da narcolepsia, afetando todas as pessoas com o distúrbio. A sonolência diurna excessiva envolve um desejo de dormir que pode parecer irresistível, surgindo com mais frequência em situações monótonas. Essa sonolência severa geralmente causa lapsos de atenção e a narcolepsia pode causar “ataques de sono”, que envolvem adormecer sem aviso prévio. Entretanto, após cochilos curtos, as pessoas com narcolepsia geralmente se sentem (pelo menos temporariamente) revigoradas.

Comportamentos automáticos

Tentar evitar a sonolência pode desencadear comportamentos automáticos que ocorrem enquanto uma pessoa não está ciente. Por exemplo, um aluno em sala de aula pode continuar escrevendo, mas na verdade está apenas rabiscando linhas ou rabiscos na página.

Sono noturno interrompido

A fragmentação do sono é comum em pessoas com narcolepsia que podem acordar várias vezes durante a noite. Por isso, outros problemas de sono incômodos, como excesso de movimentos físicos e apneia, também são mais comuns em narcolépticos.

Paralisia do sono

Pessoas com narcolepsia têm uma taxa mais alta de paralisia do sono, que é uma sensação de incapacidade de se mover que ocorre ao adormecer ou ao acordar.

Alucinações relacionadas ao sono

Imagens vívidas podem ocorrer ao adormecer (alucinações hipnagógicas) ou ao acordar (alucinações hipnopômpicas). Aliás, isso pode acompanhar a paralisia do sono, que pode ser particularmente perturbadora e assustadora.

Cataplexia

A cataplexia é uma perda repentina de controle muscular. Só ocorre em pessoas com NT1 e não NT2. Veremos mais sobre esses dois tipos de narcolepsia nos parágrafos abaixo. Um episódio de cataplexia geralmente ocorre em resposta a emoções positivas como riso ou alegria. A cataplexia normalmente afeta ambos os lados do corpo e dura de alguns segundos a alguns minutos. Algumas pessoas com NT1 têm episódios de cataplexia apenas algumas vezes por ano, enquanto outras podem ter uma dúzia ou mais de episódios por dia.

Atenção: outras características

Pessoas com narcolepsia podem ter outros distúrbios do sono, como apneia obstrutiva do sono – uma condição em que a respiração começa e pára durante a noite – síndrome das pernas inquietas e até insônia.

Algumas pessoas com narcolepsia apresentam comportamento automático durante breves episódios de narcolepsia. Por exemplo, você pode adormecer ao realizar uma tarefa que normalmente realiza, como escrever, digitar ou dirigir, e continuar a realizar essa tarefa enquanto dorme. Quando você acorda, você não consegue se lembrar do que fez, e provavelmente não fez bem. 

Embora todas as pessoas com narcolepsia tenham SED, menos de um quarto apresenta todos esses sintomas. Além disso, os sintomas podem não ocorrer simultaneamente. Por exemplo, não é incomum que a cataplexia comece anos depois que uma pessoa começou a ter SED.

Quais são os efeitos da narcolepsia?

Os sintomas da narcolepsia podem ter consequências significativas para a saúde e o bem-estar de um paciente. Acidentes são uma preocupação premente, pois ataques de sono, sonolência e cataplexia podem ser fatais ao dirigir ou em outros ambientes onde a segurança é crítica. Estima-se que pessoas com narcolepsia tenham três a quatro vezes mais chances de se envolver em um acidente de carro, por exemplo.

A narcolepsia também pode interferir na escola e no trabalho. Sonolência e pausas na atenção podem prejudicar o desempenho e podem ser interpretadas como problemas comportamentais, principalmente em crianças.

Além disso, muitos pacientes com narcolepsia sentem estigma relacionado à condição que pode levar ao afastamento social. Sem o suporte adequado, isso pode contribuir para distúrbios de saúde mental e afetar negativamente a escola, o trabalho e os relacionamentos. 

Portanto, consulte o seu médico se tiver sonolência diurna excessiva que atrapalhe sua vida pessoal ou profissional. 

Quem faz o diagnóstico de narcolepsia?

Comumente se diagnostica a narcolepsia observando como o paciente dorme e descartando outras condições.

A narcolepsia deve ser diagnosticada por um médico especialista em medicina do sono, um neurologista e/ou um psiquiatra a fim de realizar avaliações adicionais que podem auxiliar no diagnóstico e tratamento. Eles perguntarão sobre seus hábitos de sono e quaisquer outros sintomas que você tenha.

Descartando outras condições

A narcolepsia pode ser difícil de diagnosticar porque os sintomas podem ser semelhantes aos de outras condições, como:

  • apneia do sono;
  • epilepsia;
  • depressão;
  • uma glândula tireoide hipoativa (hipotireoidismo);
  • uma lesão na cabeça anterior;

A sonolência diurna excessiva, às vezes, também pode ser causada pelos efeitos colaterais de certos medicamentos. É necessário realizar vários testes para ajudar a descartar outras condições que possam estar causando seus sintomas. Por exemplo, você pode fazer um exame físico, testes de pressão arterial e exames de sangue .

Quais os exames que é preciso fazer para diagnosticar a narcolepsia do sono?

Há várias formas diferentes para diagnosticar a narcolepsia. Para obter mais informações sobre seu sono, o médico pode pedir que você faça um teste chamado Epworth Sleep Scale (ESS). 

ESCALA DE SONOLÊNCIA DE EPWORTH SLEEP SCALE (ESS)

A escala de sonolência de Epworth Sleep Scale (ESS) é um questionário usado por médicos especialistas em sono para avaliar a probabilidade de a pessoa adormecer ao fazer diferentes atividades.

Ao preencher o questionário, você vai precisar classificar a probabilidade de adormecer em situações como sentar e ler, assistir televisão e viajar como passageiro em um carro.

Uma pontuação de 10 ou menos significa que você tem o mesmo nível de sonolência diurna que a população em geral. No entanto, se você pontuar 11 ou mais, você tem um nível aumentado de sonolência diurna.

Assim, as respostas subjetivas a essas perguntas da pesquisa ajudam o médico a quantificar sua sonolência.

Responda a este teste online e descubra se você sofre de narcolepsia:
  1. Em primeiro lugar, quanto você normalmente dorme à noite?
  2. Você tem dificuldade em adormecer à noite?
  3. Acorda com frequência durante a noite?
  4. Você se sente sonolento e/ou tira sonecas durante o dia?
  5. Nas últimas duas semanas, com que frequência você adormeceu quando não pretendia?
  6. Você adormece sem avisar durante o dia?
  7. A sonolência diurna afeta seu foco na escola ou no trabalho ou ao dirigir?
  8. Você se sente revigorado ao acordar pela manhã? Ao acordar de uma soneca?
  9. Você sonha durante as sonecas?
  10. Dorme mais nos fins de semana do que durante a semana?
  11. Você experimenta paralisia temporária ou alucinações ao adormecer ou acordar?
  12. Já experimentou a perda breve e repentina do tônus muscular ou do controle muscular?
  13. Você ronca alto ou faz sons ofegantes ou engasgados enquanto dorme?

A SDE pode ser causada por muitas condições; por isso, suas respostas a essas perguntas fornecem informações valiosas que ajudam o médico a identificar a explicação mais provável. Além disso, um exame físico e uma revisão de seu histórico de saúde e medicamentos atuais também podem ajudar a descartar outras causas dos sintomas.

Se o especialista em sono suspeitar de narcolepsia, ele provavelmente recomendará estudos do sono. Esses testes são essenciais para fornecer evidências claras de sonolência, examinar o padrão de sono de movimento rápido dos olhos (REM) e determinar se outros distúrbios podem estar contribuindo para os sintomas de um paciente.

Tipos de testes de sono

A narcolepsia exige vários testes diferentes.

1. Polissonografia

Esta consiste na investigação do sono realizada em um centro especializado, portanto normalmente é necessário pernoitar no centro para analisar os seus padrões de sono.

Durante a noite, várias partes diferentes do corpo do paciente serão monitoradas usando eletrodos e bandas colocadas no corpo enquanto a pessoa dorme. Sensores também serão colocados nas pernas e um sensor de oxigênio será anexado ao dedo. Realizam-se vários testes diferentes durante a polissonografia, incluindo:

  • Eletroencefalografia (EEG), que monitora as ondas cerebrais;
  • Eletrooculografia, que monitora os movimentos dos olhos;
  • Eletromiografia (EMG), que monitora o tônus ​​muscular;
  • Gravações de movimentos no peito e na barriga (abdômen);
  • Gravações de fluxo de ar através de boca e nariz;
  • Oximetria de pulso, que mede a frequência cardíaca e os níveis de oxigênio no sangue;
  • Eletrocardiografia (ECG), que monitora o coração;

Também podem-se usar equipamentos de gravação de áudio e vídeo ​​a fim de gravar som e imagens: assim, depois do paciente dormir, um especialista analisará os resultados do teste para determinar se a pessoa tem atividade normal das ondas cerebrais, padrões respiratórios e movimento muscular e ocular.

2. Teste das Latências Múltiplas do Sono (TLMS)

Um Teste de Latência Múltipla do Sono mede quanto tempo leva para você adormecer durante o dia. Frequentemente esse é o teste mais importante para o diagnóstico de narcolepsia.

Você será solicitado a tirar várias sonecas ao longo do dia, e um especialista analisará a rapidez e a facilidade com que você adormece. A cada duas horas, o paciente tem a oportunidade de dormir por 20 minutos ou mais. O TLMS é feito no dia seguinte à polissonografia para que o médico possa determinar se o sono da noite anterior pode estar afetando os cochilos diurnos.

Isso tudo porque, se você sofre de narcolepsia, em geral você adormece com mais facilidade e pega no sono REM muito rapidamente.

Ainda, você pode fazer um exame de sangue para descobrir se possui um marcador genético conhecido como HLA DQB*0602, que está associado à narcolepsia.

Um resultado positivo suporta um diagnóstico, mas não o torna 100% certo – 30% das pessoas sem narcolepsia também têm o marcador genético.

3. Medindo os Níveis de Hipocretina

A narcolepsia com muita frequência está associada a uma deficiência na hipocretina química cerebral reguladora do sono, também conhecida como orexina.

As pesquisas mostram que medir o nível de hipocretina no líquido cefalorraquidiano, que envolve o cérebro e a medula espinhal, pode ser útil no diagnóstico da narcolepsia. Para medir seu nível de hipocretina, recolhe-se uma amostra de líquido cefalorraquidiano usando uma agulha – esse procedimento se chama punção lombar.

Desse modo, esse teste está sendo cada vez mais usado por especialistas em distúrbios do sono para ajudar a fazer um diagnóstico preciso do distúrbio.

O que pode causar narcolepsia?

Acredita-se que muitos casos de narcolepsia sejam causados ​​pela falta da hipocretina. Conforme vimos no parágrafos anterior, trata-se de uma substância química cerebral que regula o sono.

Especialistas da área acreditam que a deficiência seja o resultado do sistema imunológico atacando erroneamente partes do cérebro que produzem hipocretina.

Entretanto, a falta de hipocretina não é a causa em todos os casos.

Problema no sistema imunológico

Normalmente, os anticorpos são liberados pelo corpo para destruir organismos portadores de doenças e toxinas. Por outro lado, os anticorpos podem atacar erroneamente células e tecidos saudáveis – o que conhecemos como uma resposta autoimune.

Em 2010, cientistas na Suíça descobriram que algumas pessoas com narcolepsia produzem anticorpos contra uma proteína chamada trib2. A proteína trib2 é produzida por uma área do cérebro que também produz hipocretina, assim resultando em falta de hipocretina, o que significa que o cérebro é menos capaz de regular os ciclos do sono.

Esses resultados da pesquisa podem ajudar a explicar a causa da narcolepsia em muitos casos, mas não explicam por que algumas pessoas com a doença ainda produzem níveis quase normais de hipocretina.

Possíveis acionadores

Vários fatores podem aumentar o risco de narcolepsia de uma pessoa ou causar um problema autoimune. Esses incluem:

  • uma falha genética herdada;
  • alterações hormonais, incluindo aquelas que ocorrem durante a puberdade ou a menopausa;
  • grande estresse psicológico;
  • uma mudança repentina nos padrões de sono;
  • uma infecção, como a gripe suína ou uma infecção estreptocócica;

No entanto, as pesquisas ainda não confirmaram se todos esses fatores desempenham um papel na narcolepsia.

Impacto da narcolepsia no sono

O tempo total que alguém com narcolepsia passa dormindo não é necessariamente diferente daquele de pessoas que não têm a doença. Mas o distúrbio pode afetar significativamente os ciclos e diminuir a qualidade do sono.

O sono é composto de ciclos de diferentes atividades cerebrais conhecidas como movimento ocular não rápido (NREM) e movimento ocular rápido (REM).

Como já dito, no sono REM, a atividade cerebral aumenta e entramos no estado onde sonhamos. O sono normal começa com 3 estágios de sono NREM no início, seguidos por um curto período de sono REM.

O sono NREM e REM alternam-se ao longo da noite. Durante a última parte da noite, o sono REM é mais proeminente. Caso você tenha narcolepsia, esse padrão é muito mais fragmentado e possivelmente acordará várias vezes durante a noite. 

Você também pode experimentar o sono REM muito mais cedo do que o normal depois de adormecer e os efeitos do sono REM, como sonhos e paralisia, enquanto ainda está consciente.

Narcolepsia secundária

A narcolepsia às vezes pode ser o resultado de uma condição subjacente que danifica as áreas do cérebro que produzem hipocretina. A narcolepsia resultante de uma condição subjacente identificável é chamada de narcolepsia secundária.

Por exemplo, a narcolepsia pode se desenvolver após:

  • um ferimento na cabeça
  • um tumor cerebral
  • esclerose múltipla (EM)
  • encefalite

Tipos de narcolepsia do sono

Segundo a Classificação Internacional de Distúrbios do Sono, Terceira Edição (ICHD-3), existem dois tipos de narcolepsia: narcolepsia tipo 1 e 2.

TIPO 1

A NT1 está associada ao sintoma de cataplexia, a perda súbita do tônus ​​muscular. A narcolepsia tipo 1 era anteriormente conhecida como “narcolepsia com cataplexia”.

Nem todos os pacientes diagnosticados com NT1 apresentam episódios de cataplexia. NT1 também pode ser diagnosticado quando uma pessoa tem baixos níveis de hipocretina-1, uma substância química no corpo que ajuda a controlar a vigília do sono.

Mesmo quando não presente ao diagnóstico, a cataplexia eventualmente ocorre em um número significativo de pessoas com baixos níveis de hipocretina-1.

TIPO 2

O NT2 era anteriormente conhecido como “narcolepsia sem cataplexia”. Pessoas com NT2 têm muitos sintomas semelhantes às pessoas com NT1, mas não têm cataplexia ou baixos níveis de hipocretina-1.

Se uma pessoa com NT2 mais tarde desenvolver cataplexia ou baixos níveis de hipocretina-1, seu diagnóstico pode ser reclassificado como NT1. Estima-se que essa mudança no diagnóstico ocorra em cerca de 10% dos casos. Em alguns casos, NT2 foi relatado após uma infecção viral, mas a maioria dos casos não tem uma causa estabelecida.


Uma boa e saudável noite de sono colabora para nos sentirmos bem e faz com que nosso corpo e cérebro funcionem adequadamente. Um sono ruim pode ter efeitos negativos em muitas partes do corpo e do cérebro. 

Vale ressaltar: se você tem algum destes sintomas ou acredita que possa estar passando por isso, é importante marcar uma consulta com um médico especializado: e o atendimento online pode te ajudar!

Referências

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *