Omenscast #8: Testosterona baixa

Omenscast, o minicast da sua saúde sexual: o assunto de hoje é testosterona
BLOG OMENS / Sexualidade
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

25 de julho 2021

No oitavo episódio do Omenscast, o médico urologista João Brunhara abordará um problema bastante comum que é a testosterona baixa. Ele apresentará as possíveis causas, tratamentos e falará sobre alguns mitos e verdades em torno do assunto.

Seja bem-vindo ao blog da Omens e fique à vontade para ouvir o nosso podcast! A transcrição do áudio também está logo abaixo.

Queda de testosterona. Você já ouviu falar disso? Muita gente relaciona testosterona baixa com falta de virilidade, envelhecimento e também com problemas sexuais, como perda da libido. Mas será que isso é tudo verdade?

Olá, eu sou João Brunhara, médico urologista, e esse é o podcast da Omens sobre saúde sexual masculina.

Então, primeiro:

O que é testosterona?

Uma coisa que muita gente já sabe é que a testosterona é o principal hormônio sexual dos homens. Ela atua em várias funções, como ganho de massa óssea e muscular, produção de pelos, metabolismo de gorduras, produção de células do sangue, ela engrossa a voz, enfim… Muitas características do desenvolvimento masculino e da vitalidade em geral.

E, sim, não menos importante: ela também tem papel fundamental no desejo sexual e nas ereções.

E aqui cabe um parênteses: as crianças e as mulheres também têm testosterona, mas em valores bem mais baixos do que os homens. Nos meninos, quando começa a puberdade, os níveis do hormônio começam a subir. Nesses casos, os efeitos do hormônio são os mesmos, mas com uma intensidade bem menor: ou seja, as mulheres têm menos massa muscular, voz mais fina, maior risco de osteoporose, etc. – tudo por conta da diferença de testosterona.

E da mesma forma, se uma mulher estiver com testosterona alta, vai passar a ter mais musculatura, uma voz mais grossa, mais pelos, etc.

Quais são os sintomas da falta de testosterona?

Alguns deles podem até ser confundidos com depressão, como falta de ânimo e de energia, sonolência, um desânimo generalizado. Além disso, existem sintomas físicos como perda de massa muscular e óssea e aumento da gordura abdominal.

E também, como era de se esperar, existem efeitos na vida sexual, sendo o principal deles a queda do desejo sexual, a chamada libido.

Mas também podem ocorrer dificuldades de ereção, perda da ereção noturna, dificuldade de orgasmo, ou seja, dificuldade de atingir o prazer na relação sexual, entre outros.

“Como saber se meus sintomas são por causa de falta de testosterona?”

É preciso ser avaliado por um especialista, que vai analisar se os sintomas são compatíveis com a falta de hormônio, e é fundamental fazer um exame de sangue: só dá para colocar a culpa na testosterona se realmente ela estiver num nível baixo.

“E quando a testosterona está baixa?”

Existem definições diferentes de acordo com faixa etária e com os referenciais de cada laboratório. Mas podemos dizer que, se a testosterona total estiver acima de 300 nanogramas por decilitro, ela está num nível adequado.

Para valores abaixo de 300, ainda existem nuances de acordo com a idade e o método do laboratório, então é importante analisar caso a caso para saber se o hormônio está baixo ou não.

Quais são as causas de testosterona baixa?

Bom, com o passar da idade ela começa a cair, numa taxa de quase 1% ao ano a partir dos 40 anos.

Mas também existem causas patológicas para a queda do hormônio: doenças do testículo, obesidade, estresse excessivo, falta de sono, doenças congênitas, uso de alguns medicamentos como corticoides ou até tumores da hipófise podem causar baixa testosterona.

Por isso, é importante a análise de um perfil hormonal completo por um especialista.

E muitas vezes acontecem duas ou mais causas ao mesmo tempo:

  • Por exemplo, um homem na faixa dos 50 anos que está com excesso de gordura abdominal já tem 2 fatores de risco para ter queda da testosterona: a idade e a obesidade. Se ele começa a sentir cansaço constante, diminuição do ânimo em todas as atividades diárias, falta de apetite sexual, entre outras coisas, ele pode estar com falta de testosterona.
  • Uma pessoa que está fazendo um tratamento com corticoides em altas doses e, além disso, está vivendo um período de muito estresse e dormindo pouco já acumula 3 motivos diferentes para ter problemas de testosterona baixa.

Vale lembrar que esses sintomas que comentei (falta de energia, de ânimo, de libido) podem ser resultados de vários problemas, e não só da testosterona. Por exemplo: distúrbios da tireoide, depressão ou mesmo um fator com importância psicológica (como problemas familiares, financeiros, ou no relacionamento, etc.) podem ser a verdadeira causa do problema. Nesses casos, a pessoa pode estar com níveis normais de testosterona. Por isso é tão importante a avaliação de um profissional.

E então:

Como funciona o ajuste para ficar com testosterona alta?

“Quanto mais alta melhor?” Não é bem assim!

Primeiro, só devemos fazer reposição de testosterona em homens que realmente apresentam sintomas e que também têm nível hormonal baixo.

Ter a testosterona alta, a ponto de ficar acima dos níveis normais causa diversos efeitos colaterais.

Existem apenas alguns incômodos, como crescimento das mamas, oleosidade da pele e calvície. Porém, os problemas maiores são riscos mais sérios, como lesões no fígado, atrofia dos testículos, infertilidade, aumento da viscosidade do sangue, comportamento agressivo e doenças cardíacas como infarto.

Por isso, é importante selecionar o tratamento apenas para pessoas que possuem indicação concreta.

Para os pacientes que se enquadram nos critérios corretos, pode ser oferecida a suplementação com testosterona gel, na forma injetável (como propionato de testosterona, cipionato de testosterona, entre outras formulações) ou até por via oral.

Mas e para quem não entra nos critérios, ou não quer fazer reposição…

Como aumentar a testosterona?

Existem algumas coisas que podem ajudar. Praticar atividade física, tomar sol em períodos controlados, perder peso, controlar o estresse, dormir bem durante a noite, evitar os excessos de álcool e demais drogas…. Tudo isso atua para aumentar a testosterona.

Dependendo do caso, também podem ser prescritas medicações que não fazem a reposição direta do hormônio, mas que estimulam sua produção pelo organismo, como o clomifeno.

Se você quiser saber mais ou tirar suas dúvidas, continue essa conversa no nosso blog. Ou também você pode nos encontrar no Instagram, Youtube e no Facebook.

Vejo você por lá!

O atendimento personalizado de um urologista pode te ajudar!

Teleconsultas (por chat, vídeo ou celular) com médicos especialistas em saúde sexual masculina: a partir de R$ 69.

Prescrição médica e entrega a domicílio de medicamentos e tratamentos manipulados.

Agendar Teleconsulta

e receber tratamento médico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *