Sexo e penetração: 4 erros que você não pode cometer!

o sexo com penetração não é a prática preferida de algumas mulheres e muitos homens não sabem disso
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

27 de janeiro 2022

Quando chega o momento da penetração no sexo, nem tudo é tão simples… Além do estresse ou da ansiedade relacionada ao desempenho (performance), ao tamanho do pênis ou ao preservativo (o que pode fazer com que a ereção se perca), etc… Muitos homens acabam cometendo certos erros na hora da penetração ou partem para ela muito apressadamente. E também esquecemos que a penetração não é a prática sexual que dá mais prazer às mulheres, por exemplo!

Com essas noções em mente, o objetivo da Omens neste artigo é ajudá-lo a evitar erros e permitir que você dê mais prazer à sua parceira ou parceiro!

1️⃣ A penetração não é (necessariamente) a prática preferida das mulheres

A penetração é um negócio muito mais “masculino”, além de ser primordial para a reprodução. 

É claro que encontramos essa prática com muita frequência na nossa sexualidade: penetração vaginal, anal, oral, etc., mas o prazer feminino tem um alcance muito maior… Muitas vezes, a penetração não é o melhor método para alcançar o orgasmo feminino; por outro lado, 95% dos homens conseguem atingir o orgasmo dessa forma.

Estima-se que apenas 20 a 30% das mulheres chegam ao orgasmo através da penetração vaginal. Uma pesquisa concluiu, então, que 50% delas gostariam de uma sexualidade com mais sensualidade, por exemplo, com outros tipos de carícias e estímulos.

Realmente todos os números em torno da penetração demonstram exatamente isso: 36% das mulheres tem orgasmos com frequência em suas relações sexuais e apenas 16% delas disseram que realmente sentem prazer apenas com a penetração.

O mais problemático de tudo isso é que, de acordo com o Journal of Sexual Medicine (2015), 30% das mulheres tiveram dores durante a sua última relação sexual, sem que o parceiro alterasse o seu comportamento em metade dos casos…

Em primeiro lugar, nós homens precisamos repensar o que sabemos sobre sexualidade, particularmente em torno da penetração. Em segundo lugar, precisamo rever a má comunicação existente entre os parceiros, pois muitos homens e mulheres não se atrevem a falar sobre seus problemas e dificuldades durante o sexo.

Por isso, chegamos ao nosso conselho fundamental para os homens que fazem sexo com mulheres: a penetração não é a prática que dá mais prazer a elas.

O primeiro erro a evitar é focar apenas nessa prática e achar que todas vão gostar disso!

2️⃣ Erros para evitar durante a penetração: não estar conectado com a(o) parceira(o)

A sexualidade é partilhada independentemente de quem for a sua parceira ou parceiro: não existe isso de “cada um tem o seu próprio prazer”!

Pelo contrário, você tem de reagir, adaptar-se ao outro, responder e não ignorar as sensações e emoções da outra pessoa.

Aliás, isso vale especialmente para a penetração! Porque, como dissemos, a penetração nem sempre é agradável para o outro – pode ser até mesmo dolorosa.

Nesses momentos, você deve focar em todos os sentidos de forma conjunta: não se concentre apenas no seu pênis ou no órgão sexual da parceira ou parceiro. Todo o corpo do outro deve ser explorado!

Temos mãos e elas servem a um propósito, mesmo durante a penetração! Toque, acaricie, beije todas as partes que quiser… Em suma, viva o sexo para além da penetração em si.

E lembrem-se que as palavras-chave da relação sexual são: comunicar e compartilhar.

3️⃣ Terceiro erro: não variar os movimentos

Se o movimento de “bate-estaca” (aquele vai-e-vem incessante) parece estar bem alinhado ao prazer masculino, o mesmo não acontece com o prazer feminino!

Portanto, varie os movimentos!

É natural que muitos caras foquem no movimento de ir e vir, mas se a penetração só ficar nisso, com movimentos rápidos, bem… A parceira(o) corre o risco de ficar entediada(o) ou decepcionada(o).

Para o homem, é normal, os movimentos rápidos irão proporcionar mais sensações, mais prazer, porque a glande sofre mais atrito. Mas esses movimentos “mecânizados” têm uma tendência infeliz de não gerar muita excitação e prazer nas mulheres (e o mesmo vale para os estímulos na próstata!).

É, então, necessário alternar os movimentos, as pausas, o grau de profundidade… Viver esse momento de forma diferente em cada relação sexual: cada uma delas pode ser diferente da outra, porque, caso contrário, seríamos apenas máquinas!

E isso não é nada interessante para nós em termos de sexualidade.

Tire tempo para brincar com o prazer da sua parceira ou parceiro. Se estivermos falando do sexo feminino, dedique um tempo para estimular diferentes áreas da vulva: deslize ao longo dos lábios, faça carícias no clitóris antes da penetração, você pode também fazer movimentos circulares, tentar alcançar o ponto G com o seu pênis esfregando-o na parte interna da vagina… Aliás, esse ponto fica apenas a 3 ou 4 cm da entrada vaginal!

Em resumo, seja natural, mas original, curioso, imprevisível. Você não é um robô ou um sex toy programado com velocidades diferentes.

Sinta os seus movimentos e o prazer da sua parceira ou parceiro, tentando se adaptar aos desejos do outro.

4️⃣ Último erro do sexo com penetração: mudar de posição o tempo todo

Para dar prazer à outra pessoa, evite mudar de posição toda hora.

Pode parecer contra intuitivo… Mas, caso sua parceira seja uma mulher e sabemos que normalmente uma mulher leva mais tempo para atingir o orgasmo, se você mudar de posição o tempo todo, as sensações também vão mudar! E a excitação e o prazer dela podem diminuir.

Por isso, é melhor encontrar uma posição que o outro goste e encontrar os gestos ou movimentos que vão dar prazer – e continuar com eles!

Claro, se sentir que a pessoa não está sentindo prazer algum:
MUDE!

Mas quando ela(e) sentir prazer em um determinado momento, continue nessa posição: o prazer dela(e) vai aumentar gradualmente.

A ideia é encontrar o movimento, ritmo e posição ideais para o prazer do outro.

Mas lembre-se: o orgasmo feminino não tem necessariamente a ver com a velocidade ou com o movimento para a frente e para trás.

Mitos e verdades sobre o tamanho do pênis [Vídeo]

Entenda os mitos sobre o tamanho do pênis. Você realmente tem um pênis pequeno? É melhor ter um pênis grande? Qual o tamanho médio, existe um tamanho ideal do pênis e como medir da melhor forma?

Conclusão: comunicação, compartilhamento… Como pensar além do sexo com penetração?

Antes de mais nada, não faça da penetração a sua única carta do jogo! Porque o campo da sexualidade (para homens e mulheres) é muito mais vasto que apenas uma prática.

Não é coincidência que as mulheres lésbicas tenham mais orgasmos (86% em média de acordo com um estudo recente) do que as mulheres heterossexuais: as suas práticas são mais variadas e não giram apenas em torno da penetração.

De acordo com o estudo de 2006, Differences in Orgasm Frequency Among Gay, Lesbian, Bisexual, and Heterosexual Men and Women, quanto mais variadas forem as práticas sexuais, maior é a probabilidade de uma mulher ter um orgasmo.

Os números são reveladores: 50% das mulheres tiveram um orgasmo durante o seu último encontro sexual apenas com penetração vaginal, enquanto 73% das que combinam penetração com outros estímulos atingiram o ápice.

Quando acrescentarmos o sexo oral na conta, atingimos 86% das mulheres que tiveram um orgasmo – uma pontuação quase tão alta quanto a dos homens!

O resultado final: diversificar as suas práticas, respeitar a anatomia diferente do outro, lembrar que sexo é uma forma de se relacionar com o outro, ser inventivo.

Aliás, o prazer feminino pode ser bastante diferente, mas não deve ser algo inacessível!


Outras leituras

Consulte online um médico ou psicólogo especializado em sexualidade

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada à saúde sexual e mental, que reúne médicos urologistas, terapeutas sexuais e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

Por isso, a plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade, além de psicólogos sexólogos. As consultas online podem ser feitas por mensagens, pelo celular ou por videochamada, por exemplo, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico ou psicólogo especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta para o mesmo dia! (no Brasil, aliás, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e, então, eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Além disso, evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *