O que é squirt?

BLOG OMENS / Sexualidade
Escrito por

Caio Vega

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

18 de julho 2021

Por que sabemos tão pouco sobre a ejaculação feminina (squirt)? Ainda é um tabu esse assunto?

Na área científica, há muito tempo se debate o tema da ejaculação feminina. No entanto, ainda explicaram pouco sobre essa reação sexual do corpo da mulher. É difícil encontrar estudos e informações sérias na internet, pois o assunto squirt fascina e alimenta discussões acirradas!

O que acontece durante a ejaculação feminina? Todas as mulheres podem ter essa experiência? Por que uma mulher quando tem um orgasmo não necessariamente ejacula?

Primeiro, estudaremos a fisiologia dessa reação sexual do organismo feminino, a fim de explicar melhor o que acontece durante o squirt.

Squirt: um reflexo sexual do corpo feminino

A primeira fase do desejo sexual feminino pode ser vista como um desejo “espontâneo” ou “inato”.

A reação sexual e os humores da mulher são moldados sob a influência de hormônios e dos receptores de estrogênio, progesterona (hormônio esteróide) e androgênio (hormônio masculino).

Início dos pensamentos sexuais

Consideramos que o primeiro ciclo sexual feminino começa com o desenvolvimento de um pensamento ou fantasia sexual. Logo após, outro tipo de desejo, secundário à excitação física, acontece: o desejo reativo.

Embora nem todas tenham a mesma resposta sexual, esse padrão diz respeito à maioria das mulheres, levando em consideração as características fisiológicas delas.

Na verdade, a questão da motivação sexual feminina é muito complexa, porque existir motivação sexual não pressupõe necessariamente a presença ou ausência de desejo.

Quando uma mulher inicia uma relação sexual, ela aumenta sua proximidade emocional. O desejo sexual geralmente começa com estímulos externos (através do olfato, do tato…) ou psicológicos (fantasias, memórias…).

O humor e os hormônios influenciam o desejo e a atividade sexual, seja aumentando os diferentes estímulos, seja os inibindo.

Aumento na atividade do sistema nervoso

Esse aumento da atividade do sistema nervoso permite que o corpo “se prepare” para a atividade sexual. Percebe-se, então:

  • Em primeiro lugar, um aumento do fluxo sanguíneo em direção ao tecido erétil do clitóris.
  • Em seguida, um ritmo cardíaco acelerado: essa fase da excitação normalmente tem como características a lubrificação vaginal, o fluxo de sangue no clitóris e pequenos lábios e o alargamento dos grandes lábios.

As zonas erógenas estimuladas (lábios menores, clitóris, seios…) e as informações sensoriais genitais são comunicadas ao cérebro através de terminações nervosas. A lubrificação vaginal, aliás, só acontece devido à chegada do fluxo sanguíneo no clitóris, nos lábios genitais e na vagina.

Fase de excitação

Durante essa fase, a vagina muda de forma. A área perineal do diafragma se contrai, fazendo com que a entrada do canal vaginal se estreite, enquanto o diafragma pélvico deixa o fundo do canal mais largo.

Essa fase de excitação, que é a mesma que ocorre nos homens, possui uma duração que irá variar dependendo dos aspectos fisiológicos da pessoa.

A chegada do orgasmo

Geralmente o orgasmo ocorre alguns segundos antes das (dezenas de) contrações musculares bruscas e involuntárias da vagina e dos músculos pélvicos.

Ao contrário dos homens, a estimulação sexual deve ser mantida até o orgasmo; se não, existe o risco da excitação diminuir.

Junto do orgasmo, vem a aceleração da respiração e do ritmo cardíaco. Além disso, é possível repeti-lo em um intervalo de alguns segundos. Quando o orgasmo termina, os músculos pélvicos relaxam e a vasodilatação diminui. Nesse momento, as mulheres descrevem um sentimento de satisfação, bem-estar e euforia. 

O contato com os músculos do diafragma pélvico é involuntário e afeta a duração e intensidade do orgasmo. Normalmente o orgasmo feminino se manifesta através de uma sensação de prazer, na maioria das vezes acompanhada de uma lubrificação vaginal que pode durar alguns minutos.

No entanto, a existência de uma ejaculação feminina ainda é motivo de debate.

O atendimento personalizado de um urologista pode te ajudar!

Teleconsultas (por chat, vídeo ou celular) com médicos especialistas em saúde sexual masculina: a partir de R$ 69.

Prescrição médica e entrega a domicílio de medicamentos e tratamentos manipulados.

Agendar Teleconsulta

e receber tratamento médico!

Squirt: o que é afinal?

Mais do que a natureza do orgasmo, é a manifestação dele que pode mudar de uma mulher para outra.

Definição de ejaculação feminina

No momento do orgasmo, ou quando ele está se aproximando, a mulher libera uma pequena quantidade de líquido que passa despercebido na maioria dos casos. Às vezes, ela libera uma grande quantidade: o chamado squirt.

Características da ejaculação feminina

A ejaculação feminina começa com uma secreção das glândulas de Skene (parauretrais), próximas ao meato urinário. Essa secreção é diferente daquelas da vagina ou da vulva, expelidas pelas glândulas de Bartholin, que são responsáveis pela lubrificação vaginal.

Quando a excitação é muito forte, esse fluido é expelido do corpo como um reflexo. Em relação à sua composição, estudos mostram que o líquido é composto basicamente de urina, mas contém também conteúdo da secreção das glândulas de Skene. Boa parte fluido do squirt é proveniente da bexiga.

Não se trata de incontinência urinária coital, ainda que a ejaculação feminina venha das glândulas parauretrais, da bexiga ou das duas.

A dificuldade das pesquisas

Tem sido difícil identificar a composição da ejaculação feminina. No entanto, os cientistas concordam que sua composição inclui não só urina mas também produtos das glândulas de Skene (como, por exemplo, o PSA feminino).

Um estudo foi realizado com várias mulheres que experienciam o squirt a fim de definir se ele vinha das glândulas parauretrais ou da bexiga. Um cateter foi conectado da uretra até a bexiga delas. Durante o orgasmo induzido pela masturbação, descobriu-se que a maior parte da ejaculação feminina vinha da bexiga, com pouca secreção vindo das glândulas parauretrais.

Todas as mulheres conseguem ejacular?

Tecnicamente, sim. 75% das mulheres expulsam um líquido durante o orgasmo, mesmo que na maioria das vezes ele passe despercebido.

Em outros casos, esse líquido pode estar presente em grande quantidade e até mesmo jorrar durante o orgasmo, várias vezes seguidas. Muitas vezes a mulher, quando descobre essa sensação, não a entende. Assim, ela tem a impressão de que vai urinar e, portanto, tenta segurar.

Essa ejaculação pode tomar a forma de um “vazamento” lento ou de um jato mais forte.

Motivo de vergonha para algumas mulheres?

Uma mulher pode se sentir desconfortável com a chegada de uma ejaculação em quantidade, principalmente porque ela não está acostumada, mas também por ser comparável a uma ejaculação masculina.

Ela pode se sentir envergonhada por estar demonstrando seu prazer ao(à) parceiro(a) dessa maneira.

Na realidade, porém, trata-se de um fenômeno normal que a mulher pode descobrir durante toda sua sexualidade, e normalmente não incomoda em nada.

Conclusões

Todas as mulheres podem ejacular durante o orgasmo, só que isso simplesmente não acontece da mesma forma para todas e depende de fatores fisiológicos e psicológicos.

Isso não significa que uma situação seja mais normal do que outra! A quantidade de líquido durante a ejaculação feminina pode ser baixa ou alta, que isso não vai afetar o prazer.

Na maioria dos casos, a mulher descobre o squirt no decorrer da sua vida sexual: seja através de um melhor conhecimento de seu corpo e um melhor controle da ejaculação (através de exercícios para fortalecer o assoalho pélvico, por exemplo), seja de forma imprevisível durante a relação ou através da masturbação.

O squirt não é, portanto, uma peculiaridade. Da mesma forma, não ter uma ejaculação em grande quantidade não é de modo algum um problema: é apenas uma resposta diferente do organismo.

Fontes

Consulte um médico especializado em sexualidade na Omens

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada ao homem. Ela reúne médicos urologistas e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

A plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade. A consulta online pode ser feita por mensagens, pelo celular ou por videochamada, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista
  • Agende uma consulta para o dia seguinte! (no Brasil, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial sobre problemas sexuais com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *