Fetiches sexuais: o que significam? Do que as pessoas mais gostam?

costas de mulher molhada de suor
BLOG OMENS / Sexualidade
logo da Omens
Escrito por

Seth Zanette

Dr. João Arthur Brunhara Alves Barbosa
Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

6 de novembro 2022

Ter fetiches sexuais é algo comum! Homens e mulheres compartilham a vontade de experimentar algo novo sexualmente, mesmo que não falem sobre o assunto. Isso porque, assim como o sexo, os fetiches se tornaram um tabu.

Nesse artigo, vamos entender melhor de onde vem os fetiches, como eles são criados no nosso imaginário e como abordar o assunto com sua parceira ou parceiro.

O que são fetiches?


Fetiche sexual é um sentimento de adoração erótica que envolve um objeto, parte do corpo específica ou mesmo uma situação. Quando existe uma situação em que o alvo do desejo ocorre, a pessoa sente prazer ou excitação sexual.

A origem da palavra “fetiche” é a tradução francesa da palavra portuguesa “feitiço”. Essa palavra surgiu entre viajantes portugueses que entravam em contato com outras culturas e conheciam o fenômeno de certos objetos, nessas culturas, assumirem um encantamento. Ou seja, segundo esses povos, alguns objetos mágicos adquiriam poderes que transcendiam as atribuições do objeto físico. 

Então quando falamos de fetiche na sexualidade, estamos falando sobre algum objeto, parte do corpo, ou prática, que adquire um poder erótico sobre alguém. Mas são coisas que normalmente, para a maioria das pessoas, não seria sexualmente excitante. Literalmente, a pessoa fica enfeitiçada por aquele objeto de desejo.

Ter fetiches sexuais é algo extremamente normal e comum – e isso vale para todos os gêneros. Mas por muito tempo o fetiche foi ligado apenas ao homem. É claro que com o avanço da psicologia descobriu-se que mulheres também têm fantasias sexuais, bem como os homens. Na realidade, a porcentagem de homens e mulheres que fantasiam durante o sexo é bem próximo: algo em torno de 70% para mulheres e 76% para homens, por exemplo.

O que determina um fetiche?


E como é que o fetiche em si surge? Existem muitas teorias para isso. A primeira delas e que merece ser citada é a de Freud. Muito focada em descrever o surgimento do fetiche masculino, a teoria desse psicanalista associa a imagem do falo à descoberta de objetos que despertam o desejo.

Existem também teorias que ligam o fetiche ao sentimento de posse. O poder envolvido em ter algo para si é o que leva ao desejo sexual de um fetiche.

O desejo sexual, as fantasias e, por consequência, o fetiche sempre intrigaram pesquisadores. Mas podemos dizer que o que determina se vamos ter um fetiche em determinada situação ou objeto são as experiências de vida que tivemos. Seja na infância, na adolescência ou na fase adulta, essas experiências podem afetar os desejos e fantasias de agora.

Além disso, existem também pontos relacionados à personalidade que podem determinar uma tendência a mais em um tipo de fetiche do que em outro. Uma pesquisa de 2014, por exemplo, mostra que pessoas que atuam no papel de dominador no BDSM se identificam como mais extrovertidas e com um maior desejo de controle.

Prazer, sexo oral e penetração [Omenscast #42]

No nosso 42º episódio do Omenscast, o médico urologista João Brunhara vai dar dicas de como deixar o sexo mais “diferente”! Não estamos falando de nada super inusitado, mas de uma série de dicas que tornarão a relação mais prazerosa para ambos. A transcrição do áudio você poderá encontrar aqui.

Quais os fetiches mais comuns do brasileiro?


Existem muitos tipos de fetiches por aí, cada um com sua própria comunidade e com seus próprios pormenores. Mas é claro que, para além de fantasias sexuais mais incomuns, existem aquelas que mais se destacam na mente de homens e mulheres brasileiros. Consegue adivinhar quais são?

Segundo a pesquisa Censo do Sexo realizada em 2022 pela sextech Pantynova, o fetiche mais comum para os brasileiros é o sexo a três. A porcentagem é de 51% da população com esse tipo de fetiche.

Alguns outros dados interessantes sobre os fetiches mais comuns do brasileiro que essa pesquisa revela são:

  • Em primeiro lugar, o maior fetiche de pessoas (independente do gênero) homossexuais é o BDSM;
  • Em segundo lugar, o maior fetiche de pessoas heterossexuais é o sexo anal;
  • O sexo em público ficou em terceiro lugar na maioria das categorias (pessoas heterossexuais, bissexuais e pansexuais).

Tipos: dos fetiches mais comuns aos mais “estranhos”


Quando se conta com o consentimento e quando não se tem uma dependência física/emocional do fetiche, não existe algo que seja considerado “muito estranho” ou “impraticável”. Existe uma grande quantidade de comunidades dedicadas aos mais variados tipos de fantasia sexual.

Mas sim, existem fetiches que são incomuns ou pouco falados por aí. Assim como existem aqueles muito representados, até mesmo em filmes e novelas ou outros tipos de mídias. Confira uma pequena lista de fetiches aqui em baixo:

Sexo a três

O sexo a três é um dos maiores fetiches do brasileiro e é também um dos mais conhecidos, pois tem a ver com a quebra das relações monogâmicas. Essa fuga da norma padrão de relações entre casais pode ser extremamente excitante para alguns.

Exibicionismos e Voyeurismo

O exibicionismo e o voyeurismo são, respectivamente, o fetiche em ser visto performando um ato sexual e o fetiche em ver a performance sexual de outras pessoas, sem se envolver diretamente nela. Dependendo do local ou mesmo da forma com o fetiche é performado, existem diversos pontos que inspiram o desejo sexual, por exemplo: o risco de ser flagrado observando terceiros em um momento íntimo, o prazer de ser objeto de desejo de terceiros…

BDSM

O BDSM também é uma prática fetichista muito conhecida e divulgada, talvez a mais divulgada em mídias, novelas e no cinema. Aqui, a fantasia está na dominância e submissão, no infligir dor e experienciar a dor.

Muitas vezes, no BDSM é possível inverter os papéis de dominação e submissão que estão presentes numa relação cis hetero monogâmica. Além disso, esse pode ser o ambiente certo para encontrar parceiros e parceiras para realização de outros desejos e fetiches.

Quirofilia e Podolatria

Quirofilia é o fetiche sexual por mãos e a podolatria é o fetiche sexual por pés. Novamente, ambos os fetiches são bastante comuns. Em ambos, a excitação pode ser despertada não apenas pela visão de uma mão ou pé, mas mesmo pela prática de alguma atividade específica com essa parte do corpo.

Axilismo

Axilismo é o fetiche por axilas. Esse é um tipo de fetiche menos conhecido e divulgado no Brasil. Apesar disso, assim como todo tipo de fetiche, existe uma comunidade e pessoas que se interessam por esse tipo de fantasia sexual.

Claustrofilia

É comum ouvirmos falar de Claustrofobia, que é o medo de lugares fechados, mas e quando é o total oposto? A claustrofilia, por outro lado, envolve a excitação sexual por estar em lugares fechados.

Teratofilia e Espectrofilia

E, por fim, a teratofilia, que é o fetiche em monstros e a espectrofilia, que é o fetiche em fantasmas ou espectros. Esse tipo de fetiche pode ter a ver com o medo, que para muitos funciona como uma forma de excitação. 

Problemas no relacionamento? Parceiro com alguma dificuldade?

Marcar Teleconsulta Agora

Converse ONLINE com um psicólogo especialista em sexualidade

Fetiches femininos vs. masculinos


E quando se trata de fetiches femininos e fetiches masculinos? Existe uma grande diferença entre um e outro? Se detalhes da vida podem determinar quais serão os fetiches que uma pessoa terá, é normal que existam diferenças entre os fetiches que ocorrem de um gênero para o outro. 

Existem pesquisas que datam de 1981 e mostram as diferenças entre fetiches mais comuns no gênero masculino do que no gênero feminino.

Alguns dos principais fetiches masculinos são, por exemplo:

  • voyeurismo
  • sexo com mais pessoas
  • BDSM
  • dominação
  • enxergar a parceria como uma pessoa promíscua

Alguns dos principais fetiches femininos são:

  • exibicionismo
  • narcisismo
  • masoquismo
  • ser a pessoa promíscua, encaixar no papel da “prostituta”

Como abordar o assunto fetiche com minha parceira ou parceiro?


O fetiche e as fantasias sexuais no geral não precisam ser um tabu ou um segredo a ser escondido da parceira ou parceiro. Na realidade, pode ser que ambos tenham a mesma vontade e estejam apenas perdendo tempo ao não se comunicarem, portanto pode-se investir na prática de fetiches de casais.

Então, se você tem um fetiche em específico, seja ele sexo a três, BDSM ou outros, não deixe de comunicar. É possível abordar o assunto de maneira leve e, se você tem medo da reação do outro, primeiro pergunte quais fantasias sexuais a companheira ou companheiro gostariam de realizar. Esse tipo de questionamento vai dar a abertura necessária para que abordem juntos formas de colocar em prática os fetiches.

Quando o fetiche se torna um problema?


Podemos dizer que o fetiche se tornar um problema quando:

  • causa qualquer angústia pessoal que não é resultante da desaprovação da sociedade;
  • causa desejo ou comportamento sexual que envolva a angústia psicológica, lesão ou morte de outra pessoa, ou um desejo de comportamentos sexuais que envolvam pessoas incapazes de dar o consentimento legal.

Em ambos os casos, a pessoa não deve sofrer em silêncio. É necessário buscar ajuda médica especializada, com psicólogos ou sexólogos. Isso porque muitas vezes quem sofre desse tipo de problema não procura ajuda até que algo aconteça consigo ou com o outro.

Conclusão


O fetiche sexual é algo normal e tanto homens quanto mulheres têm seus desejos e fantasias. Fazer disso um grande tabu e não satisfazer os desejos é que pode ser um caminho arriscado. Então, não deixe de se comunicar e dar o primeiro passo para abordar o assunto. Você pode se surpreender com os resultados positivos disso!

Referências


Consulte online um médico ou psicólogo especializado em sexualidade

A Omens é uma plataforma de saúde dedicada à saúde sexual e mental, que reúne médicos urologistas, terapeutas sexuais e farmacêuticos com o objetivo de construir soluções seguras, de qualidade e acessíveis a todos.

Por isso, a plataforma permite que você consulte online médicos especialistas em temas sobre sexualidade, além de psicólogos sexólogos. As consultas online podem ser feitas por mensagens, pelo celular ou por videochamada, por exemplo, além de apresentar muitas outras vantagens:

  • Consulte um médico ou psicólogo especializado na área, que trata diariamente de problemas relacionados ao sexo.
  • Pague menos da metade do valor de uma consulta presencial com um urologista.
  • Agende uma consulta para o mesmo dia! (no Brasil, aliás, muitos pacientes têm de esperar vários meses até conseguir agendar uma consulta presencial com um urologista)
  • Peça pela plataforma os medicamentos necessários para o seu tratamento e, então, eles serão entregues discretamente na sua casa por uma farmácia certificada
  • Além disso, evite o desconforto ou a vergonha na sala de espera de um consultório ou em farmácias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?