Tudo sobre o hormônio regulador do sono e a busca por uma solução natural

docinhos coloridos imitando moléculas do hormônio do sono
BLOG OMENS / Sono
logo da Omens
Escrito por

Ranieri Soares

Revisado por

Dr. João Brunhara

CRMSP 161.642
Última atualização

13 de abril 2022

O sono é importante por muitas razões. Mas o que você pode não saber é que o sono afeta vários tipos de hormônio e os níveis hormonais afetam seu sono. O sono afeta muitos hormônios no corpo, incluindo aqueles relacionados ao estresse ou à fome.

O tempo debaixo das cobertas podem influenciar a produção de hormônios. É por isso que uma boa noite de sono é essencial para manter seus hormônios equilibrados.

Mas você chegou até aqui porque não sabe qual o nome do hormônio do sono? Não tem problema. Nós aqui da Omens preparemos este artigo com todas as informações necessárias sobre ele: nós vamos te ajudar a ter uma noite de sono agradável!

Quais os hormônios do sono?

O corpo secreta e faz circular cerca de 50 tipos diferentes de hormônios: cada um deles tem uma função e é secretado por uma glândula específica.

Assim, no que diz respeito aos hormônios do sono, muitos deles cumprem diferentes tarefas, além de preparar o corpo para uma boa noite de sono.

O que queremos dizer aqui é que a tarefa deles não é apenas nos permitir descansar bem. Alguns deles funcionam de maneiras diferentes, incluindo hormônios que reduzem nosso apetite para que não acordemos com fome de repente.

Essas moléculas tão decisivas no equilíbrio, na saúde e no bem-estar do nosso corpo também são muito sensíveis ao estilo de vida: o estresse é, sem dúvida, um dos seus piores inimigos. Da mesma forma, fatores como menstruação ou menopausa também podem afetar diretamente o bom descanso.

Enfim, os hormônios são mensageiros químicos que desempenham um papel vital na regulação de muitos processos, sistemas e funções do corpo. O corpo precisa de uma variedade de hormônios diferentes para funcionar corretamente.

Eles são liberados através do sistema endócrino, uma rede de órgãos e glândulas localizadas em todo o corpo. Os hormônios são responsáveis ​​por muitas funções corporais, incluindo, por exemplo:

  • crescimento;
  • metabolismo e apetite;
  • frequência cardíaca;
  • temperatura corporal;
  • função sexual, impulso e reprodução;
  • pressão arterial;
  • ciclos sono-vigília.

A produção e a função de muitos hormônios no corpo sofrem influências de outras funções do corpo, como o sono. Resta, então, a pergunta:

Qual é o hormônio do sono?

Existem vários hormônios diferentes liberados durante o sono, todos com propósitos diferentes. Certamente, se tivéssemos que nomear um elemento biológico crucial para promover o sono, respondendo qual é o principal hormônio do sono, a maioria de nós pensaria instantaneamente na melatonina.

De fato, esse hormônio, sintetizado a partir do triptofano e produzido na glândula pineal, é um dos hormônios reguladores do sono.

Então, vamos a alguns fatos sobre a melatonina:

  1. A principal função dela é regular os ciclos do sono.
  2. É o nome do hormônio do sono liberado no escuro: a exposição à luz e à escuridão estimula uma área do cérebro chamada núcleo supraquiasmático (NSQ); assim, quando começa a escurecer, essa região começa a enviar comandos para liberar melatonina para promover o sono.
  3. No entanto, quando é dia, os níveis de cortisol aumentam e a melatonina diminui para favorecer o estado de alerta e a atividade.
  4. Além disso, atividades como assistir a programas de TV ou passar muitas horas no celular também aumentam os níveis de cortisol, o que nos impede de adormecer.

Triiodotironina equilibra o metabolismo para ajudar no sono

A triiodotironina é um hormônio tireoidiano extremamente importante para o organismo controlar nosso metabolismo. Por exemplo, uma de suas muitas funções é regular a temperatura corporal e a frequência cardíaca. 

Quando chega a noite, precisamos que a temperatura diminua, assim como os batimentos cardíacos. Dessa forma, entramos em um estado adequado de calma e relaxamento. Por outro lado, sabemos que as pessoas com distúrbios da tireoide sofrem de distúrbios do sono.

Renina, uma enzima que regula a pressão arterial

A renina é uma enzima secretada por algumas células renais, que têm a função de promover o equilíbrio hídrico nos sais do nosso corpo. Porém, a sua importância durante a noite também é decisiva porque ajuda a regular a pressão arterial.

Estudos como o realizado no Hospital Clínic de Barcelona, na Espanha, mostram que uma alteração nessa enzima pode produzir hipertensão noturna e, portanto, insônia.

Orexinas

As orexinas são dois tipos diferentes de hormônios neuropeptídicos que vêm de uma proteína precursora comum: a pré-pró-orexina. Eles cumprem várias funções, como a regulação do apetite e a secreção de hormônios sexuais. No entanto, também sabemos que são determinantes nos ciclos sono-vigília.

Graças a eles, podemos passar de um estado para outro de maneira normal, ou seja: na hora de acordar, eles nos ativam através da dopamina e, na hora de descansar, trabalham em conjunto com os demais processos bioquímicos para promover o descanso.

Além disso, especialistas viram que uma alteração nas orexinas pode produzir narcolepsia.

Serotonina

A serotonina é frequentemente descrita como o “hormônio da felicidade”, mas também poderia ser considerado um hormônio do sono de certa forma. Trata-se de um neurotransmissor de bem-estar, que está envolvido em inúmeras funções corporais, incluindo emoções, humor, apetite e memória, além do sono. Os intestinos e o cérebro produzem a serotonina. Seu nome científico, 5-hidroxitriptamina, faz referência à sua base com a qual você pode estar familiarizado: triptofano. 

Quando a luz do sol entra nos nossos olhos, ela estimula as partes da retina que, então, estimulam o cérebro a produzir serotonina. O corpo usa esse hormônio para enviar mensagens entre os neurônios, mas não pode atravessar a barreira hematoencefálica, o que significa que o cérebro precisa produzir qualquer serotonina que precise usar. 

Apesar de os cientistas ainda desconhecerem sua função exata, altos níveis de serotonina estão associados à vigília e a níveis mais baixos de sono. A serotonina também nos deixa mais energizados, além de ser um hormônio essencial para nos deixar sonolentos. 

Especialistas descobriram que esse hormônio oferece fatores cerebrais que promovem o sono e também a vigília. Não é surpresa, portanto, que as deficiências de serotonina tenham sido associadas a distúrbios do sono. Nosso corpo precisa de serotonina para produzir o hormônio melatonina.

Assim, o ciclo sono-vigília do corpo sofre com a quantidade de luz (natural e não natural) à qual nos expomos e com a produção relacionada desses hormônios. É por isso que os especialistas em sono recomendam manter as luzes baixas à medida que você se aproxima da hora de dormir e evitar a exposição à luz azul e verde que computadores, smartphones e TVs produzem poucas horas antes de dormir.

Como produzir o hormônio do sono

Os hormônios do sono supervisionam e controlam o descanso e até mesmo nossa sobrevivência. Às vezes, negligenciamos a importância de nosso descanso noturno e a variedade de processos metabólicos que ocorrem durante esses períodos. Somos constituídos por uma série de conexões que exigem a harmonia dos ritmos circadianos.

Mas não apenas a luz e a escuridão governam nossos comportamentos e horários fisiológicos! Cada um de nós também tem um relógio interno que sincroniza um grande número de processos e atividades bioquímicas e fisiológicas que supervisionam nosso bem-estar. Os hormônios, por outro lado, são aqueles pequenos agentes mediadores que ativam mecanismos essenciais no equilíbrio do nosso corpo.

Essas pequenas moléculas, produzidas pelo sistema endócrino e que enviam mensagens para várias partes do corpo e nos ajudam a regular processos essenciais, também são essenciais para o sono. No entanto, eles são muito sensíveis ao nosso estilo de vida. Por isso, uma dieta pobre ou mesmo uma exposição excessiva a telefones celulares e computadores podem alterar completamente sua atividade. 

Tenha em mente que a má qualidade do sono não significa apenas que você se sente mais exausto pela manhã. O sono também aumenta a resposta imunológica e ajuda o corpo a combater muitas doenças diferentes.

Sono e hormônios

Várias funções hormonais e sua liberação são afetadas pelo sono ou ritmo circadiano – e vice-versa. Dormir adequadamente é importante para regular vários hormônios, assim incluindo:

  • o cortisol;
  • estrogênio e progesterona;
  • hormônios da fome, como insulina, leptina e grelina;
  • melatonina;
  • hormônios da tireóide;
  • hormônios de crescimento.

A melatonina controla os padrões de sono e diz ao seu corpo quando dormir. O hormônio do crescimento humano é liberado durante as horas de sono profundo, o que é vital para o crescimento e reparo das células.

Onde é liberada a melatonina?

A melatonina, liberada pela glândula pineal, controla os padrões de sono. Os níveis aumentam à noite, fazendo você se sentir sonolento. Enquanto você dorme, sua glândula pituitária libera o hormônio do crescimento, que ajuda seu corpo a crescer e se reparar.

Nós a conhecemos como o hormônio do sono, em razão de ser uma parte central do ciclo sono-vigília do corpo. A sua produção aumenta com o anoitecer, promovendo um sono saudável e ajudando a orientar o nosso ritmo circadiano.

A melatonina é um hormônio produzido pelo cérebro em resposta à luz fraca. Ela prepara o corpo para o sono e é frequentemente usada como auxiliar do sono.

Pesquisas sugerem que a melatonina desempenha outros papéis importantes no corpo além do sono. No entanto, não se compreende a totalidade desses efeitos.

O corpo produz melatonina naturalmente, mas pesquisadores e mesmo as pessoas têm se interessado cada vez mais por fontes externas, como líquidos ou cápsulas, como forma de lidar com as dificuldades do sono. É comum a venda da melatonina como suplemento alimentar: uma pesquisa de 2012 do National Institutes of Health descobriu que é um dos suplementos mais usados ​​entre os adultos e crianças. 

Estudos descobriram que a melatonina pode melhorar o sono em certos casos, mas não é para todos. É importante estar ciente e considerar cuidadosamente os potenciais benefícios e desvantagens da melatonina. As pessoas que desejam usar o suplemento de melatonina também devem estar cientes das questões relacionadas à dosagem e à qualidade dos suplementos.

Os suplementos dietéticos de melatonina podem ser feitos de animais ou microorganismos, mas na maioria das vezes são feitos sinteticamente.

Quais são os benefícios para a saúde de tomar melatonina?

Produzida pelo seu cérebro, a melatonina é uma resposta à ausência de luz. Ela ajuda com o tempo dos ritmos circadianos (relógio biológico de 24 horas) e com o sono. Por isso, ser exposto à luz à noite pode bloquear a produção de melatonina.

Suplementos de melatonina podem ajudar com certas condições, como fusos horários, transtorno da fase de sono-vigília atrasada, alguns distúrbios do sono em crianças e ansiedade antes e após realização de cirurgias.

Ela é produzida pelo corpo humano e não está associada a nenhum problema de saúde.

As principais consequências da ingestão de grandes quantidades de melatonina são a sonolência e a redução da temperatura corporal central. Doses muito grandes têm efeitos sobre o desempenho do sistema reprodutivo humano. Também há evidências de que concentrações muito altas de melatonina têm efeito antioxidante, embora o objetivo disso ainda não tenha sido estabelecido.

Seu corpo provavelmente produz melatonina suficiente para suas necessidades gerais. No entanto, as evidências sugerem que os suplementos de melatonina promovem o sono e são seguros para uso a curto prazo. A melatonina pode ser usada para tratar distúrbios do sono da fase atrasada do sono e do ritmo circadiano em cegos e proporcionar algum alívio da insônia.

Trate a melatonina como qualquer outro remédio para dormir e use-a sob a supervisão do seu médico.

Jornada de trabalho noturna

De acordo com duas revisões de pesquisa de 2014, os estudos sobre se os suplementos de melatonina ajudam as pessoas que trabalham à noite eram geralmente pequenos ou inconclusivos. A primeira revisão analisou 7 estudos que incluíram um total de 263 participantes. Os resultados sugeriram que as pessoas que tomam melatonina podem dormir cerca de 24 minutos a mais durante o dia, mas outros aspectos do sono, como o tempo necessário para adormecer, podem não mudar. A evidência, no entanto, foi considerada de baixa credibilidade.

A outra revisão analisou 8 estudos (5 dos quais também estavam na primeira revisão), com um total de 300 participantes, para ver se a melatonina ajudou a promover o sono nesses trabalhadores noturnos. Seis dos estudos eram de alta qualidade e tiveram resultados inconclusivos. A revisão não fez nenhuma recomendação para o uso de melatonina nessas pessoas.

É seguro tomar melatonina?

A melatonina parece ser segura para o tratamento de curto prazo de problemas de sono, enquanto sua segurança a longo prazo não é tão clara. Isso também pode depender da idade e da saúde do paciente.

Os cientistas não fizeram pesquisas suficientes para confirmar se é seguro para mulheres grávidas e lactantes tomar melatonina. A melatonina pode causar sonolência diurna em alguns adultos mais velhos.

Para suplementos de melatonina, particularmente em doses mais altas do que o corpo normalmente produz, ainda não há informações suficientes sobre possíveis efeitos colaterais para ter uma imagem clara da segurança geral. 

O uso a curto prazo de suplementos de melatonina parece ser seguro para a maioria das pessoas, mas faltam informações sobre a segurança a longo prazo da suplementação deste hormônio.

Assim como acontece com todos os suplementos dietéticos, as pessoas que estão tomando medicamentos devem consultar seus médicos antes de usar melatonina. Em particular, pessoas com epilepsia e aquelas que tomam medicamentos para afinar o sangue precisam estar sob supervisão médica ao tomar suplementos de melatonina.

Melatonina: o que causa a falta de hormônio no organismo?

Existem evidências de que concentrações muito altas de melatonina têm efeito antioxidante, embora o objetivo disso ainda não tenha sido estabelecido. A redução da produção de melatonina não é conhecida por ter qualquer efeito sobre a saúde. 

A maioria dos médicos, profissionais de saúde e outros especialistas consideram a melatonina geralmente segura. No entanto, pode causar efeitos colaterais quando as pessoas o consomem em quantidades superiores às recomendadas. Tomar muito deste suplemento pode levar a uma overdose acidental.

Para evitar isso, as pessoas devem tomar a dose correta para sua idade. Qualquer pessoa que esteja pensando em tomar melatonina deve consultar um médico para se certificar de que é seguro para eles.

Os sintomas de uma overdose de melatonina variam de pessoa para pessoa. Em algumas , tomar muita melatonina pode aumentar a sonolência; em outros, pode ter o efeito oposto e produzir um estado de alerta aprimorado. Os sinais de que uma pessoa teve uma overdose de melatonina incluem:

  • dor de cabeça;
  • uma dor de estômago;
  • ansiedade;
  • diarreia;
  • dor nas articulações;
  • irritabilidade.

A melatonina pode levar a um aumento na pressão arterial se uma pessoa tomar mais do que a dose recomendada. Se o paciente já tem pressão alta, também deve consultar um médico antes de tomar este produto.

As pessoas que tomam esse suplemento devem relatar quaisquer efeitos colaterais incomuns ao seu médico.

Qual é a dosagem apropriada de melatonina?

Não há consenso sobre a dosagem ideal de melatonina, embora os especialistas aconselha evitar dosagens extremamente altas. Nos estudos, as dosagens variam de 0,1 a 12 miligramas (mg).

Uma dose típica em suplementos é entre um e três miligramas, mas se isso é apropriado para qualquer pessoa específica depende de fatores como idade e problemas de sono. Você pode encontrar melatonina em dosagens de microgramas (mcg) – lembrando que 1000 mcg é equivalente a 1 mg.

Algumas pessoas experimentam sonolência diurna ao usar melatonina como auxílio para dormir. Se você sentir isso, pode ser que sua dosagem seja muito alta. É aconselhável começar com a dosagem mais baixa possível e aumentar gradualmente sob a supervisão do seu médico.

Especialistas desaconselham doses acima de 3-6 mg para crianças e afirmam que muitos jovens respondem a pequenas doses de 0,5 a 1mg. Alguns estudos também encontraram benefícios em doses mais baixas em adultos.

Os suplementos orais podem elevar os níveis de melatonina no sangue a níveis muito mais altos do que os normalmente produzidos pelo corpo. Por exemplo, dosagens entre 1-10 mg podem aumentar as concentrações de melatonina para qualquer lugar de 3 a 60 vezes os níveis típicos. Por esse motivo, as pessoas que tomam melatonina devem ter cautela antes de ingerir altas doses.

Tem melatonina no Brasil?

A melatonina é vendida nos EUA como suplemento alimentar e não como medicamento. Esta é uma distinção vital porque significa que os produtos de melatonina não são rigorosamente regulamentados pela Food and Drug Administration (FDA).

Uma ampla gama de marcas com formulações e dosagens variadas está disponível sem receita em mercearias e drogarias. 

A melatonina está liberada no Brasil, no entanto os médicos pedem cautela. O suplemento foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 15 de outubro de 2021 e chegou às farmácias em dezembro do mesmo ano. Contudo, especialistas alertam para a falta de evidências científicas de seu uso sem uma avaliação mais aprofundada.

Desde o início de dezembro, farmácias brasileiras estão vendendo melatonina em comprimidos ou gotas sem a necessidade de prescrição médica. Embora a decisão esteja alinhada com o que ocorre em vários países da Europa e da América do Norte, especialistas pedem cautela na hora de comprar o chamado hormônio do sono.

A dosagem recomendada pela Anvisa é de 0,21 mg por dia, quantidade próxima à encontrada em alimentos. A agência reguladora afirmou que não pode aprovar quantidades maiores para o suplemento já que foram poucos os estudos mostrando as consequências do uso prolongado da substância.

Vale ressaltar que é muito importante marcar uma consulta com um médico especializado: e o atendimento online pode te ajudar.

Hormônio do sono: preços

A fabricante Macrophytus começou a comercializar o suplemento assim que saiu a decisão da Anvisa. A mesma passou a entregar o produto para cerca de 4.386 farmácias e 116 distribuidoras, em um total de mais de 85 mil frascos chegando ao mercado. O suplemento de outra fabricante, a Equaliv, já está disponível para comprar em quase todas as regiões do país e a empresa afirma que muitos estabelecimentos fizeram pedidos de reposição.

O preço do hormônio do sono melatonina de 0,21mg com 60 comprimidos, tem sido comercializado por aproximadamente R$ 21,99.

Os suplementos de melatonina são considerados seguros e nenhum estudo revelou efeitos colaterais graves até o momento. No entanto, mais pesquisas são necessárias para avaliar seus efeitos a longo prazo.

Conclusão

Pessoas que sofrem com algum tipo de distúrbio de sono conseguem enxergar melhorias ao tomar medidas que sejam alinhadas ao desenvolvimento de hábitos saudáveis na hora de dormir.

Conversar com um médico sobre a melatonina e problemas de sono também pode ajudar a revelar se você possui um distúrbio do sono subjacente.

Ressaltamos que, se você tem algum destes sintomas ou acredita que possa estar passando por isso, é importante marcar uma consulta com um médico especializado.

Referências

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *