Os sintomas físicos e psicológicos da ansiedade

gatinho com os olhos arregalados e a boca aberta, a tensão muscular pode ser um sintoma de ansiedade
BLOG OMENS / Ansiedade
logo da Omens
Escrito por

Marjorie Tieny

Revisado por

Dra. Thais Della Tonia

Psicóloga
Última atualização

7 de dezembro 2023

Níveis moderados de ansiedade fazem parte do instinto de sobrevivência humano. Quando alguém enfrenta uma ameaça, o corpo reage para aumentar o foco e ação.

No entanto, algumas pessoas lutam contra uma ansiedade constante ou avassaladora durante seu dia a dia, mesmo quando não há uma possível ameaça real. O estresse, nervosismo, pânico e  sintomas físicos de ansiedade podem tornar a vida desafiadora.

Neste novo artigo vamos entender a ansiedade e como ela afeta o corpo além de seus sintomas psicológicos..

O que é Ansiedade?


A ansiedade é uma emoção que, em algum momento, faz parte da experiência de muitas pessoas. Ela pode se manifestar em várias situações reais ou imaginárias, como a preocupação no trabalho, a espera de resultados médicos, o estresse no trânsito ou por causa de relacionamentos. É como um segurança de uma festa que está ali para nos proteger mas está tentando se destacar sem cerimônia.

Ela surge quando nossa mente divide-se entre o passado e o futuro, levando-nos a preocupações sobre eventos que talvez nunca ocorram ou quando sentimos que estamos perdendo o controle de alguma situação, ficando expostos ao desamparo e à impotência. 

A experiência da ansiedade é comum na jornada humana, afetando adultos e crianças em diferentes momentos. Para a alguns, a ansiedade é passageira, durando de minutos a alguns dias. Entretanto, para muitos, a ansiedade persiste por semanas, meses ou até anos, afetando profundamente a rotina. É crucial ter empatia, compreensão e apoio, buscando estratégias e tratamentos para melhorar o bem-estar daqueles enfrentando desafios relacionados a esse estado psicológico.

Um GUIA para reconhecer os sintomas da ansiedade


Você já experimentou a sensação de ter um enxame de pensamentos agitados, todos girando como engrenagens de um relógio descompassado? Essa experiência pode ser indicativa da presença de sintomas de ansiedade intensa.

A manifestação dos sintomas de ansiedade varia de pessoa para pessoa, embora existam padrões comuns que caracterizam as respostas do corpo a essa condição. Em estados ansiosos, o corpo fica em  alerta, examinando minuciosamente em busca de ameaças e ativa respostas de luta, ou fuga ou  congelamento 

É importante explorar a jornada tumultuada, o dia a dia, que algumas vezes pode ser disparador da ansiedade. Além disso, podemos identificar sintomas comuns, como:

Sintomas físicos e psicológicos da ansiedade

  • respiração rápida e curta ou episódios de hiperventilação; 
  • aperto no peito (sensação de pouco ar);
  • aceleração da frequência cardíaca;
  • tensão muscular e boca seca;
  • sudorese nas extremidades, como mãos, testa…
  • sensação de nervosismo e inquietação;
  • tremores musculares ou espasmos;
  • abdome tensionado.

Aspecto emocional e comportamental

  • sensação de nervosismo e aceleração de pensamento;
  • impaciência, irritabilidade;
  • insegurança em tomadas de decisões;
  • sentimentos de medo e angústia;
  • perfeccionismo (”checagens para garantir”);
  • medo de errar; sentimentos de ambivalência;
  • fazer várias coisas ao mesmo tempo;
  • mãos e pernas inquietas;
  • fala rápida;
  • sensação de letargia e fraqueza;
  • dificuldade em manter o foco ou raciocinar de forma clara, exceto sobre as preocupações presentes;
  • dificuldades com o sono, que podem se manifestar como insônia;
  • problemas digestivos ou gastrointestinais, tais como flatulência, constipação ou diarreia;
  • forte desejo de evitar situações ou estímulos que desencadeiam a ansiedade; 
  • obsessões relacionadas a ideias específicas, frequentemente associadas ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC);
  • execução repetitiva de determinados comportamentos como uma resposta à ansiedade;
  • vivenciar ansiedade em relação a eventos passados ou experiências de vida, especialmente característico do Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT).

Esses sintomas são apenas um panorama geral da complexa experiência da ansiedade. A ansiedade merece compreensão e apoio. Juntamente com o psicólogo, o paciente busca estratégias e tratamentos para promover o bem-estar na jornada desafiadora.

Ataques de pânico

Num dia comum, você relaxa quando, de repente, seu coração acelera como um corredor olímpico. Suas mãos tremem incontrolavelmente, e um perigo invisível parece estar te alcançando. Você acaba de entrar no universo dos ataques de pânico.

Um ataque de pânico é um surto de medo, ansiedade ou angústia extrema. Ele atinge seu ponto crítico em questão de minutos, com duração média de 10 a 30 minutos, e inclui pelo menos quatro dos sintomas a seguir:

  • Palpitações
  • Sudorese
  • Tremendo ou agitado
  • Dificuldade para respirar e falta de ar
  • Sensação de asfixia ou engasgo
  • Dores no peito ou aperto
  • Náuseas ou problemas gastrointestinais
  • Tontura, sensação de desmaio ou vertigem
  • Sensação de calor ou frio
  • Sensações de dormência ou formigamento (parestesia)
  • Sentir-se desligado de si mesmo ou da realidade, conhecido como despersonalização e desrealização
  • Medo de “enlouquecer” ou perder o controle
  • Medo de morrer

Existem alguns sintomas de ansiedade que podem ocorrer em outras condições além dos transtornos de ansiedade. Geralmente é esse o caso dos ataques de pânico. Os sintomas dos ataques de pânico são semelhantes aos de doenças cardíacas, problemas de tireoide, distúrbios respiratórios e outras doenças. 

Portanto, seria correto afirmar que a ansiedade e os ataques de pânico também possuem sintomas no coração. No entanto, ela não afeta diretamente a saúde cardíaca. O impacto dessas condições no sistema cardiovascular é uma parte importante de compreender o seu alcance e a necessidade de uma abordagem que vai além do psicológico para o tratamento.

Tipos de ansiedade


A ansiedade é um componente comum de vários outros transtornos de ansiedade diferentes, incluindo:

  • Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC): O TOC é caracterizado por pensamentos irracionais repetitivos que fazem com que um indivíduo execute repetidamente comportamentos específicos de uma maneira particular.
  • Transtorno do pânico (TP): o indivíduo pode ter ataques de pânico aleatórios e recorrentes que consistem em um período repentino de intensa ansiedade e medo.
  • Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT): Indivíduos que vivenciaram um evento traumático podem desenvolver TEPT. O TEPT se manifesta como flashbacks, pesadelos, pensamentos incontroláveis e intrusivos ​​e ansiedade severa.
  • Transtorno de ansiedade somática: Anteriormente conhecido como hipocondria, uma pessoa pode ter transtorno de ansiedade somática quando está excessivamente preocupada com sua saúde e acredita ter doenças físicas.
  • Fobia: Pessoas com fobias experimentam um alto nível de medo devido a uma situação, atividade, objeto ou evento específico.
  • Fobia social: A fobia social é o medo excessivo e irracional de situações sociais, levando ao isolamento e ansiedade intensa.
  • Transtorno de ansiedade de separação: O Transtorno de Ansiedade de Separação é uma condição onde indivíduos, especialmente na infância, experimentam ansiedade excessiva quando separados de entes queridos, muitas vezes resultando em comportamentos de busca de proximidade.

Transtorno de ansiedade generalizada ou Ansiedade “normal”


Todo mundo tem ansiedade em algum momento ou outro. Seja por uma situação estressante ou pelo peso da vida cotidiana, a ansiedade é uma ocorrência normal. No entanto, existem diferenças entre a ansiedade “normal” e o TAG, ou transtorno de ansiedade generalizada. 

Se você não tem certeza do que tem ou tem preocupações sobre suas crises de ansiedade, aqui estão algumas informações sobre a diferença entre as duas condições. Veremos o que compõe cada um, como são tratados e o que você pode fazer para saber mais sobre as diferenças.

O que é ansiedade normal?

A ansiedade, na sua manifestação comum, é uma experiência inerente à condição humana, presente em situações do cotidiano. Ela serve como um aliado emocional, nos preparando para enfrentar desafios, desde entrevistas de emprego até preocupações com a opinião dos outros. A ansiedade, nesse contexto, reflete nossa vitalidade e prontidão.

É essencial entender que a ansiedade comum é uma resposta natural a estímulos cotidianos e tende a desaparecer com o tempo. À medida que nos envolvemos em situações estressantes e nos sentimos seguros e confiantes, a ansiedade diminui, deixando uma sensação de alívio. É uma reação passageira e intrínseca à vida, e o entendimento e empatia por essa realidade são vitais para a saúde mental e o bem-estar.

Sintomas físicos: a ansiedade no corpo


A vida contemporânea é frequentemente caracterizada como um cenário desafiador, repleto de intensas experiências emocionais. No contexto dessa complexa jornada, a ansiedade emerge como um intruso indesejado na montanha-russa da existência humana. Vamos ver agora alguns sintomas físicos da ansiedade.

Batimento cardíaco acelerado

Um sintoma comum é a aceleração do ritmo cardíaco, geralmente causada pela ativação dos hormônios do estresse (adrenalina, cortisol) em situações de sobressalto. Essa aceleração pode levar a palpitações cardíacas, e a longo prazo, os sintomas cardíacos relacionados à ansiedade. Pode ocasionar problemas de saúde como hipertensão, doenças cardíacas, aterosclerose, hipercolesterolemia, acidente vascular cerebral e infarto

Respiração rápida / curta

A aceleração da frequência respiratória é outro sintoma físico associado à ansiedade, acompanhando frequentemente o aumento do ritmo cardíaco. Sob circunstâncias de medo ou ansiedade, a pessoa pode começar a respirar mais rapidamente, podendo até experienciar dificuldade respiratória. Em situações graves, a hiperventilação pode causar tonturas e desmaios, representando risco, especialmente com condições respiratórias.

Reação de Lutar, Fugir ou Congelar 

O fenômeno da “reação de lutar, fugir ou congelar” é um conjunto de sintomas que se manifesta quando uma pessoa reage a uma situação ameaçadora.

O susto desencadeia a liberação de hormônios específicos que ativam respostas coordenadas pelo cérebro, medula espinhal e sistema nervoso. Esse processo resulta na redistribuição de sangue e glicose para os membros, preparando o corpo para a confrontação ou fuga em face da possível ameaça. A frequência cardíaca e a respiração aceleram, enquanto suor excessivo e tremores podem ocorrer como respostas fisiológicas. No congelamento, há ausência total de movimentos aparentes, exceto aqueles responsáveis pela respiração

Tensão muscular

A tensão muscular é uma reação do corpo à ansiedade, pois ele se prepara para autodefesa. 

Em situações de alarme, os músculos podem contrair-se de forma significativa. Inicialmente, as tensões musculares tendem a diminuir com o alívio do estresse, mas, persistindo, podem causar dores de cabeça, incluindo enxaquecas. A aplicação de técnicas de relaxamento, como a respiração profunda e a prática de ioga, pode constituir estratégias eficazes para mitigar esses efeitos prejudiciais.

Problemas sexuais masculinos

Além disso, é pertinente destacar que, no contexto masculino, a ansiedade pode ter implicações nos domínios da sexualidade. O estresse inicial ativa a resposta de “lutar ou fugir” e a produção de testosterona, mas a ansiedade crônica diminui a testosterona, afetando a saúde sexual – bem como ativa a resposta de medo da falhar que envolvem outros aspectos emocionais, gerando mais insegurança ao homem na hora de se relacionar. 

Compreender os efeitos da ansiedade no corpo é vital para promover a saúde física e mental. Abordar a ansiedade com empatia e cuidado é de suma importância, visto que a busca por soluções e suporte é fundamental para mitigar esses impactos adversos.

Sintomas psicológicos


A ansiedade, essa companheira fiel de muitos de nós, pode realmente mexer com a nossa cabeça de um jeito surpreendente. Às vezes, parece que nossa mente é uma montanha-russa de pensamentos, emoções e preocupações. Vamos dar uma olhada em alguns desses efeitos psicológicos da ansiedade:

Ver perigo em situações cotidianas

Perceber o perigo nas situações cotidianas é um traço evolutivo de autopreservação, mas, em um mundo moderno, essa tendência excessiva pode resultar em ansiedade e distorções na realidade. Embora seja inato e útil, esse instinto de vigilância pode sobrecarregar nossas vidas cotidianas quando aplicado de maneira desproporcional.

Indivíduos com transtorno de ansiedade frequentemente ampliam perigos em situações evitadas, resultando em medos desproporcionais. Alguns, por exemplo, têm medo de usar elevadores e chegam a imaginar cenários trágicos, alimentando a ansiedade. Para muitos, o medo é irracional, mas real, e a busca de ajuda profissional é essencial para superar esses temores infundados e recuperar qualidade de vida.

Nas camadas mais profundas do emocional, a ansiedade distorce a realidade nos fazendo criar altas expectativas e alto nível de exigências consigo mesmo e com outros, muita necessidade de controle, além de gerar conflitos internos que não permitem identificar emoções escondidas (insegurança, medo, raiva ou culpa, por exemplo). Indivíduos com ansiedade também têm baixa percepção dos próprios recursos. 

Pensamentos obsessivos

Os pensamentos obsessivos são complexos na saúde mental, caracterizados por pensamentos indesejados e angustiantes. Esses pensamentos se repetem, causando aflição e levando frequentemente a sentimentos de vergonha e culpa, embora o indivíduo tenha pouco ou nenhum controle sobre eles. Esse dilema emocional perpetua um ciclo de ansiedade, pois os esforços para evitar ou reprimir esses pensamentos geralmente resultam em sua intensificação.

Estudos de neuroimagem destacam correlações entre pensamentos obsessivos e anomalias neurológicas, mas as causas permanecem pouco compreendidas. Esses pensamentos persistentes constituem um traço característico das obsessões, que por sua vez representam um dos sintomas centrais do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

De acordo com um estudo canadense, o Transtorno Obsessivo Compulsivo (OCD) é classificado como um transtorno de ansiedade. Além disso, se observa a ocorrência desses pensamentos em outros contextos de transtornos de ansiedade, como a distimia, o transtorno bipolar e a depressão. É crucial notar que esses pensamentos podem surgir ocasionalmente mesmo em pessoas sem diagnóstico formal.

Insônia

Indubitavelmente, a ansiedade afeta profundamente a qualidade do sono, agravando-se especialmente em situações de importância pessoal. Para quem enfrenta a ansiedade, desconectar-se após um dia de trabalho pode ser desafiador. As noites frequentemente se transformam em horas de vigília, com pensamentos incessantes sobre o passado e preocupações com o futuro. Sintomas durante o sono podem variar, incluindo a dificuldade de adormecer devido a pensamentos perturbadores. A ansiedade torna-se uma indesejada companheira noturna, resultando em noites em claro e sono elusivo.

Os sintomas ao acordar relacionados à ansiedade persistem, resultando em exaustão e irritabilidade. Noites inquietas deixam uma sensação de descanso inadequado, dificultando o início do dia. Em situações mais severas, é possível até pegar no sono, mas acordar no meio da noite, tendo sonhado com preocupações.

Estar sempre à beira de um ataque de nervos

A ansiedade causa falta de ar, medo intenso, aperto no peito, choro excessivo e outras manifestações. Essa pessoa geralmente passa do sentimento de euforia indo às lágrimas em pouco tempo.

Em picos de estresse, começam a surgir esses sintomas de irritabilidade e mudanças bruscas de humor sem nenhuma explicação.

Pressentindo crises de ansiedade


Pressentir a iminência de um ataque de ansiedade é angustiante para muitos que sofrem com o distúrbio. Esses ataques são manifestações extremas de estresse, surgindo de repente e avassalando. No entanto, é fundamental reconhecer os primeiros sinais, que podem se manifestar suavemente. Começam com um desconforto no estômago e evoluem para sintomas como aperto no peito e taquicardia.

À medida que a ansiedade se aprofunda, tonturas, comportamentos irracionais e dificuldades na respiração podem surgir. Embora os ataques sejam como tempestades súbitas, eles podem ser tratados. Não importa se são eventos isolados ou relacionados a outros transtornos; ajuda profissional está disponível para apoiá-lo.

Aprendendo a lidar com ataques de ansiedade

Quando os sinais de um ataque de ansiedade aparecem, lembre-se de que você não está sozinho. Muitas pessoas enfrentam isso, e há maneiras de lidar com a situação de maneira mais tranquila. Comece redirecionando seus pensamentos para uma perspectiva positiva. Em vez de focar no pior cenário, busque uma visão otimista. A Terapia Cognitivo-Comportamental pode ensinar essa habilidade, ajudando a retomar o controle emocional. Do mesmo modo, a Terapia EMDR pode auxiliar: trata-se de uma técnica de reprocessamento de memórias que te ajudará a redescobrir seus recursos, possibilitando lidar com situações difíceis e te fazendo sentir capaz em lidar com situações futuras – principalmente se você tem sintomas de TEPT (transtorno de estresse pós-traumático) presente.

Além disso, experimente a respiração controlada com cinco inspirações profundas, segure e expire lentamente para acalmar-se. Essa técnica não apenas acalma o corpo, mas clareia a mente e mantém o foco. Ou há, ainda, a técnica do 3 3 3: nomeie 3 coisas do ambiente que você pode ver, fale 3 sons que você está ouvindo e movimente 3 partes do seu corpo.

Se não funcionar, pratique atividades suaves como yoga, caminhadas ou alongamentos para liberar a tensão nervosa de maneira positiva. Registrar experiências, incluindo locais, sentimentos e pensamentos em episódios de ansiedade, pode proporcionar uma abordagem lógica. Lembre-se de que você não precisa enfrentar isso sozinho; apoio está disponível para ajudá-lo nesse processo.

Conclusão


A ansiedade é uma emoção humana, variando individualmente, podendo ser adaptativa ou causar sofrimento. Abordando-a biopsicossocialmente, este artigo revela suas origens e propósitos típicos, explorando influências biológicas, psicológicas e sociais em transtornos de ansiedade. O tratamento fundamentado em pesquisa interdisciplinar é essencial, oferecendo abordagens eficazes que já ajudaram muitas pessoas a recuperar sua saúde e bem-estar. O futuro é promissor, com avanços contínuos no tratamento da ansiedade, oferecendo esperança e alívio. Você não está sozinho; o apoio está disponível para uma vida mais equilibrada e saudável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?